Bastidores da imprensa

Quatro jornalistas do New York Times estão desaparecidos na Líbia
O jornal New York Times busca notícias de quatro de seus repórteres, desaparecidos no leste da Líbia. Os jornalistas estão na cobertura do conflito em que rebeldes tentam derrubar o regime de Muamar Kadhafi.

O veículo foi informado de que membros de sua equipe foram "levados por forças do governo líbio", mas as informações não foram confirmadas. O último contato do jornal com os repórteres foi na manhã de terça-feira (15/3).

"Nós conversamos com oficiais do governo líbio em Trípoli, e eles nos disseram que estão tentando localizar nossos jornalistas", disse editor-executivo do Times, Bill Keller.

Entre os desaparecidos está o chefe de redação do escritório de Beirute, Anthony Shadid, duas vezes vencedor do prêmio Pulitzer, além de Stephen Farrell, repórter e cinegrafista que foi sequestrado pelo Talibã em 2009 e resgatado por comandos britânicos, além de dois fotógrafos, Tyler Hicks e Lynsey Addario, especializados na cobertura do Oriente Médio e África.
As informações são da AFP.

 
“Inimigo é a imprensa”. Campanha virtual faz menção à Rotam contra jornal de Goiás
A insatisfação dos policiais da Rotam com a cobertura do diário goiano O Popular, que chegou a denunciar grupos de extermínios dentro da PM, voltou a ser notícia. Dessa vez, um folheto virtual com os dizeres “PM de Goiás - O inimigo agora é a imprensa" foi enviado nesta quarta-feira (16/3) para diversas contas de e-mail e usuários do Orkut.

A campanha por internet coloca a imprensa e militares em lados opostos novamente. O primeiro embate ocorreu há cerca de duas semanas, quando 19 policiais foram presos devido ao desaparecimento de 29 pessoas na região goiana. Como resposta às publicações, 8 viaturas da Rotam rodearam, em momentos distintos do dia, a sede do jornal O Popular com as luzes e sirene acessas.

No folheto, a mensagem “153 ANOS, NÃO 153 DIAS” faz alusão ao tempo de existência da corporação militar. No topo do material também há uma frase de protesto aos policiais que ainda estão em cárcere. “A quem interessa esses policiais presos ainda não sabemos. Mas o crime organizado agradece”.

‘Não concordamos’
Segundo respondeu o tenente-coronel Divino Alves ao jornal Folha de S.Paulo, este pensamento “não reflete o pensamento da instituição”. Como medida de segurança adotada pela redação de O Popular, os jornalistas não estão mais assinando reportagens que abordem o caso, conforme respondeu a editora-chefe Cileide Alves.

Rede social não é e-commerce. Especialista alerta empresas

O insucesso nas vendas de muitas marcas via Twitter, Facebook se deve ao fato de muitas empresas ainda persistirem em encarar a rede social como uma loja virtual, analisa o sócio-diretor da R18 Comunicação, Rodrigo Arrigoni. Para o manager da agência especializada em marketing de processos, as companhias precisam se relacionar com o público, para que ele possa se tornar cliente.

“Não adianta utilizar as redes sociais apenas para o e-commerce. Tem que saber interagir com as redes sociais, se não a venda cai drasticamente”, disse Arrigoni, em sua participação nesta quarta-feira (16/3), na seção Web Commerce, da Web Expo Forum 2011. O evento é realizado no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo.

O diretor da agência de comunicação lembrou que as empresas não podem seguir utilizando as redes sociais como se fosse apenas mais uma ferramenta de comércio. Arrigoni afirmou que não se pode ver essas novas mídias como algo de “mão única”, o espaço para o usuário é primordial para o sucesso do e-commerce nas redes sociais.

“Para o e-commerce a pertinência não é a insistência, mas sim ter relevância dentro das redes sociais. Tem que fazer parte da vida do seu cliente, ser amigo dele no Facebook, por exemplo”, declara o executivo da R18.



Compatível com o mercado. Bethânia poderia gastar até mais de R$ 1,3 milhão com videoblog

Izabela Vasconcelos
Internautas brasileiros se revoltaram com a notícia de que o Ministério da Cultura autorizou a cantora Maria Bethânia a captar R$ 1,3 milhão para o blog "O Mundo Precisa de Poesia”, que reunirá vídeos com interpretações da cantora para grandes obras.

Os 365 vídeos, um para cada dia do ano, serão dirigidos por Andrucha Waddington, famoso cineasta. O valor do blog e a escolha do cineasta para dirigir os vídeos causaram polêmica. Muitos internautas questionam se Maria Bethânia não conhece o Wordpress, Blogspot e YouTube, ferramentas gratuitas.

Os valoresPara criar um blog institucional completo muitas empresas cobram entre R$ 10 e 20 mil. Por esse motivo, os internautas questionaram os valores. No entanto, para a gravação de vídeos, uma produtora cobra, em média, entre R$ 10 e R$ 15 mil a diária, o que permite a gravação de até quatro vídeos. Levando em conta esses números, a cantora gastaria mais de R$ 1,3 milhão apenas com 365 clipes.

Mesmo assim, os internautas dizem estar indignados. Os termos Maria Bethânia, #bolsablog, Andrucha, Lei Rouanet, e MinC dominam o Trending Topics Brasil, como um dos assuntos mais comentados no Twitter. O nome da cantora também aparece no TT mundial.

“Ela nunca ouviu falar em Blogspot? Puta falta d sacanagem! MariaBethânia terá R$ 1,3 milhão (do gov.) p/ criar blog” - @MarioComR

“Quantos grupos teatrais, de dança, quantos músicos sofrem para serem aprovados na Lei Rouanet e a Maria Bethania consegue a aprovação...” - @fabiorocha89j


No final da tarde desta quarta-feira (16/3), o Ministério da Cultura divulgou uma nota, em que esclarece que projeto de Maria Bethânia foi aprovado, mas que a autorização para captar o dinheiro em empresas e instituições não garante a verba, apenas permite que a cantora busque os recursos.

Em todo caso, o dinheiro público, ainda que indiretamente, faz parte da polêmica, já que as empresas que apoiarem o blog poderão abater, do imposto de renda, o valor doado ao projeto da cantora.

Confira a íntegra da nota:

Nota de Esclarecimento Em relação à aprovação do projeto de blog da cantora Maria Bethânia para captação via Lei do Audiovisual, o Ministério da Cultura informa:
• O projeto em questão (Pronac 1012234) foi aprovado pela Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que reúne representantes de artistas, empresários, sociedade civil (de todas as regiões do país) e do Estado;
• Esta aprovação, que seguiu estritamente a legislação, não garante, apenas autoriza a captação de recursos junto à sociedade;
• Os critérios da CNIC são técnicos e jurídicos; assim, rejeitar um proponente pelo fato de ser famoso, ou não, configuraria óbvia e insustentável discriminação;
• Todas as reuniões deliberativas da CNIC têm transmissão em áudio em tempo real pelo site do MinC (
www.cultura.gov.br), acessível a qualquer cidadão. 
Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura
 

“Cadê meu chip?”. O case da Intel no Brasil em campanha no Twitter e Facebook
Anderson Scardoelli
“Pedro, cadê meu chip?”, a frase, relacionada ao vídeo que já teve mais de 5,6 milhões de acesso no YouTube, serviu para uma campanha nas mídias sociais feita pela Intel do Brasil. As imagens que mostram uma moça gritando para que seu ex-namorado devolvesse um chip de celular foi o gancho para a empresa de tecnologia conseguir um case de sucesso.

A ideia da Intel foi lançar, em outubro de 2009, uma campanha, que levou o nome “Pedro, cadê meu chip?”, com a pergunta no Facebook “O que é um chip?”. O autor da frase mais criativa recebeu um notebook. Porém, só poderia participar quem seguisse o @intelbrasil no Twitter. A parceria feita com 12 blogueiros (convidados pela empresa) também foi primordial para o sucesso, revela o marketing manager da Intel do Brasil, Marcelo Leal Fernandes. Ele participa nesta quarta-feira (16/3) da Web Expo Forum, evento realizado na capital paulista.

Sobe: de 10 mil a 52 milFernandes explica que sem divulgação alguma pela Intel e apenas com a “força e influência” dos blogueiros parceiros, o perfil da empresa no microblog subiu de 10 mil para 17 mil seguidores, em apenas três dias. O diretor revela que ao fim da disputa, que também premiou com um notebook o blogueiro que levou o autor da melhor frase a entrar na campanha, o @intelbrasil alcançou mais de 52 mil seguidores.

No entanto, mesmo considerado um case de sucesso, Fernandes comenta o efeito colateral pós “O que é um chip?”. Ele declara que foi impossível, com o fim da campanha, manter todos os seguidores no Twitter. “Tem muita gente que te segue só pela premiação que está ocorrendo. A pessoa, depois de sair o prêmio, vai no seu perfil e dá um ‘unfollow’”, afirma.

Desce: de 52 mil para 34 mil“Uma semana depois do concurso, perdemos mais de 20 mil seguidores. Mas, se formos analisar, muita gente continuou seguindo o nosso perfil, devido a relevância do nosso conteúdo no Twitter”, diz Fernandes, que se surpreendeu com a queda repentina de seguidores, mas comemora o fato de atualmente o perfil da Intel do Brasil ter mais de 34 mil seguidores.

De acordo com o diretor da Intel, tudo relacionado às campanhas feitas nas redes sociais serve de aprendizado e reflexão. “Em mídia social não tem jeito, você vai pisar na bola. E tem que estar preparado para isso”, declara.

“Se a mídia social oferece algum risco, eu digo que o risco maior é não estar na mídias sociais”, conclui.




Jornalista Sidnei Basile, vice-presidente do Grupo Abril, morre em SP
Sidnei Basile, 64, vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Abril, morreu nesta quarta-feira (16), no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Desde o final do ano passado, o jornalista lutava contra um tumor no cérebro.

Basile atuou por 43 anos na profissão. O jornalista foi diretor-superintendente da Unidade de Negócios Exame, da Editora Abril, também teve passagens pela Folha de S.Paulo e Gazeta Mercantil, além de ter atuado no Citibank e na Burson Marsteller. Basile também foi professor da Fundação Cásper Líbero e escreveu o livro “Elementos de Jornalismo Econômico”, publicado em 2002.

Advogado formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e sociólogo graduado pelo Departamento de Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Sidnei foi conselheiro do WWF-Brazil (World Wildlife Foundation), do CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) e do Instituto Akatu para o Consumo Consciente. Além disso, era Vice-Presidente do Comitê de Liberdade de Expressão da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP/IAPA).

O jornalista deixa a esposa, Beth, os filhos e as noras Alexandre e Renata, Juliano e Viviane, Felipe e Maíla, e os netos Lucas e Thales.

Basile será velado nesta quinta-feira (17), a partir das 9 horas, no Cemitério Gethsêmani, em São Paulo. O sepultamento está marcado para as 12 horas.






Comentários