Tiririca vai a reunião na Câmara e diz:

‘Sou a “bola do momento”’
Priscilla Mendes

Wilson Dias/ABr
Tiririca rebate críticas sobre sua indicação à Comissão de Educação

Na primeira fila da Comissão de Educação e Cultura da Câmara, um parlamentar atento, porém visivelmente deslocado, assistiu à primeira audiência do Ministro da Educação, Fernando Haddad, ao grupo. O deputado Francisco Everardo, o Tiririca (PDT-SP), participou ontem (23) de uma reunião da comissão e rebateu as críticas à sua indicação dizendo que o “falatório” se deve ao fato de ele ser a “bola do momento”.
Após a audiência, Tiririca conversou com o R7 e falou sobre sua breve carreira política. Ainda mais conhecido por sua trajetória artística, atendeu a pedidos de fotos com funcionários da Câmara e disse estar se acostumado com a linguagem parlamentar.
Para o deputado, as críticas viriam independentemente da comissão que resolvesse participar.
Tiririca foi bastante criticado quando assumiu uma vaga na Comissão de Educação e Cultura da Câmara. Isso porque a diplomação do deputado mais votado do Brasil foi ameaçada por suspeita de falsificação na declaração de escolaridade apresentada à Justiça Eleitoral. O artista teve de provar que não era analfabeto por meio de um teste no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral).
A presença do ministro da Educação na audiência desta quarta-feira representou o início dos trabalhos do grupo. Haddad foi convidado para falar sobre o PNE (Plano Nacional de Educação), projeto de lei encaminhado pelo Executivo no fim do ano passado que estabelece metas educacionais a serem atingidas na próxima década.
R7: O que o senhor achou da audiência do ministro Fernando Haddad?
Tiririca: Acho importante a vinda do ministro para a Educação. A gente fica muito feliz. Eu fiquei prestando atenção a tudo.

R7: Está se adaptando à linguagem, à rotina como deputado?
Tiririca: Sim, estou. Já estou bem.

R7: Tem estudado o regimento interno da Câmara?
Tiririca: Sobre isso aí a gente já entrou sabendo.

R7: Sobre o Plano Nacional de Educação, o senhor já deu uma olhada? Tem alguma contribuição?
Tiririca: Ainda não, ainda não.

R7: E quanto ao trabalho como um todo, o que tem achado?
Tiririca: Interessante. É um mundo novo para mim, é interessante. Acho que vai dar para fazer alguma coisa aí se Deus quiser.

R7: O nome do senhor foi muito criticado quando indicado para a Comissão de Educação e Cultura. Como o senhor viu isso?
Tiririca: Eu acho que para qualquer comissão seria do mesmo jeito. Para você vender, para bochicho, para falar. Acho que para qualquer comissão seria o mesmo falatório.

R7: O senhor acredita sofrer algum tipo de preconceito aqui dentro?
Tiririca: Não sei. Acho que não... não sei como posso chamar isso.

R7: Então porque haveria esse falatório de qualquer jeito?
Tiririca: Porque é a bola do momento. A coisa que se fala é o Tiririca e tudo... Eu acho que qualquer coisa ia dar repercussão aqui dentro.

R7: Como o senhor tem percebido a receptividade dos colegas parlamentares?
Tiririca: Eles me receberam com o maior carinho, o maior respeito. Isso é importante.

R7: Que projetos o senhor tem em mente para apresentar? Algo dedicado aos circos?
Tiririca: Ao circo, aos artistas populares. Vamos apresentar na hora certa. É sobre aposentadoria dos artistas populares.

Comentários