Tribunal Eleitoral marca o julgamento do prefeito de Manaquiri/AM

Acusado de comprar votos, prefeito é alvo de pedido de cassação
Rosiene Carvalho

No dia em que o prefeito Jair Souto tomou posse para o segundo mandato na liderança dos prefeitos do interior, o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) pautou para o dia 15 de abril o julgamento de um processo que pede a cassação dele por irregularidades cometidas nas Eleições 2008.
Jair Souto já teve o mandato cassado em primeira instância e se mantém no cargo por meio de liminar (decisão provisória).
No dia 12 de setembro do ano passado, o prefeito Jair Souto foi cassado por compra de votos nas no pleito de 2008 pelo juiz eleitoral de Autazes, Francisco de Souza.
Ele julgou o processo de Manaquiri porque o titular da comarca, Jaime Loureiro, declarou-se suspeito.
Na decisão, determinou novas eleições em 40 dias. Souto não deixou o cargo porque uma decisão liminar do juiz do TRE-AM, Vasco Amaral, determinou que ele não fosse afastado enquanto o mérito da questão não fosse apreciado pelo TRE.
No julgamento de outro processo que também pedia a cassação dele, no dia 28 de outubro de 2010, Jair Souto conseguiu ser absolvido por unanimidade e com parecer favorável do Ministério Público Eleitoral (MPE). Ele era acusado de compra de votos.
A Corte do TRE entendeu que as provas e testemunhas  apresentadas pela acusação eram frágeis.

Comentários