Momento "Escriba"

 

DE COMO SIDARTA TORNOU-SE BUDA

Certa longínqua manhã, o jovem príncipe Sidarta sai em sua carruagem e vê, com

estupor, um homem encurvado "cujo cabelo não é como o dos outros, cujo corpo não

é como o dos outros", que se apoia numa bengala para andar e cuja carne treme.

Pergunta: quem é aquele homem? O cocheiro explica que é um ancião e que todos os

homens da terra serão como ele. Sidarta, inquieto, dá ordem de voltar

imediatamente, mas, em outra saída, vê um homem devorado pela febre, tomado pela

lepra e pelas chagas; o cocheiro explica que é um doente e ninguém está livre

daquele perigo. Em outra saída, vê um homem levado num caixão: o homem imóvel é

um morto, explicam-lhe, e morrer é a lei de tudo quanto nasce. Em outra saída, a

última, vê um monge das ordens mendicantes que não deseja nem morrer nem viver.

A paz está em seu semblante. Sidarta encontrou o caminho.

Na foto, o professor com seu neto João

Comentários