Adoção

Governo quer facilitar regras

 

O governo quer facilitar as regras para a adoção de crianças no País pelas famílias cadastradas. A informação foi prestada hoje pelo ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho.
Antes de participar da cerimônia de lançamento da campanha nacional "Adoção: família para todos" em comemoração ao Dia Nacional da Adoção, celebrado em 25 de maio, no auditório do anexo do Planalto, o ministro anunciou que o governo está disposto a rever a lei de adoção, "naquilo que ainda tem imperfeições para facilitar o processo que segue, ainda, muito demorado".

Por Tânia Monteiro

Gilberto Carvalho reconheceu que "o processo de adoção ainda é burocrático e a demora é muito grande". Segundo ele, embora de um lado haja cuidados para ver se a família, de fato, tem condições de fazer este processo de adoção, por outro lado, há ainda muitos casos em que o processo emperra muito.
"Portanto, estamos tentando discutir com entidades como a Aconchego e com a Associação de Magistrados do Brasil para rever os pontos da lei que ainda dificultam a adoção para serem alterados", prosseguiu ele, lembrando que eventos como este visam chamar a atenção do País para a realidade da dificuldade de se adotar crianças maiores de quatro anos e irmãos, que acabam, em sua maioria, sendo atendidas principalmente por estrangeiros.
"Nossos abrigos estão lotados, nos precisamos de mais gestos de generosidade, a dar a oportunidade de estas crianças terem uma família. Eu vivo esta experiência pessoal e é riquíssima", declarou Gilberto.
A ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, afirmou que hoje existem 4.600 crianças prontas para adoção e cerca de 29 mil meninos e meninas vivendo em abrigos no Brasil. Do total das 4.600 crianças pronta para adoção, acrescentou, 21% possuem problemas de saúde como deficiência física ou intelectual, segundo dados divulgados no último mês pelo Cadastro Nacional da Adoção.
"Pode ser muito feliz a adoção de crianças com mais idade e com deficiência, negras ou de diferentes etnias", declarou a ministra, citando exemplos de pessoas que fizeram esta opção. "Nós temos 26 mil pessoas buscando crianças para adoção, mas existem 4600 crianças prontas que não foram escolhidas", completou a ministra.

Copyright © Agência Estado. Nenhuma das informações contidas neste servidor pode ser reproduzida, seja a que título for, sem o acordo prévio da Agência Estado.

Comentários