Búzios: Capitania reduz número de cruzeiros

Medida visa proteger o leito marinho e a pesca

Divulgação
Divulgação
Pescadores reclamam que cruzeiros atrapalham a pesca


A Capitania dos Portos reduziu para dois os pontos de atracação dos cruzeiros em Búzios, na região dos Lagos. A ordem é da Capitania dos Portos, a partir de uma investigação do MPF (Ministério Público Federal) para proteger as praias dos problemas causados pelo arrasto das âncoras. Segundo levantamento do MPF as âncoras provocavam a morte de peixes e crustáceos no leito marinho. A decisão já afeta a próxima temporada de cruzeiros, que começa em outubro e vai até abril de 2012.



A apuração, feita pelo procurador da República Thiago Simão Miller, foi motivada pelas queixas de pescadores sobre a grande quantidade de cruzeiros que aportam em Búzios diariamente. Segundo os pescadores as hélices e âncoras dos navios geravam crateras no fundo do mar. Para retirar um dos pontos de fundeio, o chamado "ponto Alfa", e dar sobrevida à pesca, a Capitania dos Portos baseou-se num estudo técnico dos impactos ambientais dos navios, realizado pela prefeitura com a UFF (Universidade Federal Fluminense), o Museu Nacional e o INEA (Instituto Estadual do Ambiente).
Uma proposta do INEA à Capitania dos Portos pediu um limite de dois navios aportados simultaneamente, além do fim do uso de âncoras para a atracação. A mudança nas normas atende à proposta do INEA e às cobranças feitas pelo MPF em sua investigação.

Comentários