Câmara do Rio suspende emplacamento de novos carros

Após polêmica

Casa comprou veículos para os 51 vereadores e gastou R$ 2,2 milhões


André Muzell/R7
André Muzell/R7
O vereador Jorge Felipe tentou explicar a confusão


 
O presidente da Câmara do Rio de Janeiro, Jorge Felipe (PMDB), anunciou nesta sexta-feira (13) que o emplacamento dos carros oficiais comprados para os 51 vereadores foi suspenso. A Casa gastou R$ 2,2 milhões para comprar os veículos – aproximadamente R$ 44.745 cada um. A compra aconteceu no dia 28 de abril. Felipe disse que vai tentar uma solução com a Volkswagen, fabricante dos carros adquiridos pela Casa.
 
 
 
 
 
 
 

Carlyle Jr., do R7 - Podemos pensar na possível substituição dos veículos por outros carros que atendam a outras necessidades da câmara, como ônibus para as comissões de educação e direitos humanos, por exemplo. Outra possibilidade seria a devolução do dinheiro por parte da montadora, se assim a empresa quiser.
 
 

De acordo com Felipe, em março uma reunião onde participaram 43 dos 51 vereadores, 41 parlamentares decidiram pela compra dos carros. Com a polêmica causada pelo assunto, vários parlamentares – o número não foi divulgado- informaram que não vão aceitar o carro e, com isso, o presidente da Câmara decidiu pela suspensão do emplacamento.
Felipe afirmou que na próxima terça-feira (17) os vereadores voltam a se reunir para discutir novamente sobre o assunto.
- Nós decidimos pela compra dos veículos porque 41 vereadores mostraram interesse nos carros. No entanto, muitos vereadores, por pressão popular e da imprensa, decidiram não aceitar mais o veículo. Então, estes mesmos vereadores terão de decidir se aceitam, ou não, os carros.
A vereadora Teresa Bergher (PSDB) afirmou que ela e o vereador Leonel Brizola Neto (PDT) foram os únicos que se manifestaram contra a compra dos veículos na reunião do dia 15 de março. Teresa disse acreditar que não houve processo de licitação na compra dos veículos.

Comentários