Contratação de professores de religião

Vereadores não chegam a acordo

Vereadores do Rio não conseguiram chegar a um acordo sobre o projeto do prefeito Eduardo Paes que prevê a contratação de 600 professores de religião. Várias dúvidas foram levantadas ontem durante encontro com representantes da Secretaria de Educação.

Alguns vereadores vão sugerir a Paes a retirada do pedido de urgência da proposta. Já o líder do governo, Adilson Pires (PT), ligado à Igreja Católica, tentará hoje um acordo para a votação imediata do projeto: o regime de urgência obriga que ele seja votado antes de qualquer outro.

Muitas dúvidas

Na reunião, a Secretaria de Educação admitiu não ter feito uma pesquisa para verificar qual seria o número necessário de professores. Vereadores questionaram também critérios para definir como as diferentes religiões seriam representadas nas escolas.

Desconfiança

Resultado de compromisso do prefeito com a Arquidiocese do Rio, o projeto enfrenta desconfiança de alguns setores evangélicos. Temem que a Igreja Católica, por sua estrutura centralizada, seja a grande favorecida pela proposta.

Comentários