Polícia investiga, em sigilo, morte de Aires Bessa

Possibilidade de crime político é descartada


As investigações sobre o assassinato do vereador Aires Bessa, que foi baleado na noite de ontem (3), vão correr em sigilo. A informação foi dada pelo delegado Roldenyr Cravo, titular da Delegacia de Cabo Frio (126ª DP), na região dos Lagos, responsável pela apuração do caso. Mesmo assim, o delegado disse que até agora os indícios apontam que o alvo dos criminosos seria o segurança Luciano Vicente de Souza e que o vereador morreu por acidente. Ele descarta a possibilidade de crime político e de relação com as milícias que controlam o transporte irregular.
Um dos indícios para isso seria que o parlamentar levou apenas um tiro no braço direito, que perfurou os dois pulmões e acabou causando a hemorragia que provocou a morte. Enquanto que Souza levou nove tiros, todos na cabeça. A arma usada pelo assassino seria uma pistola 380. Durante a entrevista, o delegado esclareceu que Luciano não era segurança do vereador, mas cabo eleitoral. Ele disse ainda que a vítima tinha passagem pela polícia por tentativa de homicídio e ganhou a liberdade recentemente.
O corpo do vereador foi enterrado no final da tarde desta quarta-feira (4) no cemitério Santa Izabel, em Cabo Frio. Participaram da cerimônia parentes, amigos e políticos da região.

Comentários