Sociedade está indignada com o "kit gay" do MEC

Iniciativa tem causado repercussão péssima entre pais, alunos e professores

Parlamentares das bancadas religiosas vão participar da decisão final sobre as cartilhas e vídeos que o MEC (Ministério da Educação) quer distribuir nas escolas. Até agora, a repercussão do material tem sido péssima e o ministro da Educação, Fernando Haddad, já admite mudanças.
Em Brasília, deputados das bancadas evangélica e católica se reuniram com o ministro e criticaram o conteúdo do kit. Segundo Haddad, a cartilha e os filmes que serão distribuídos para mais de 6.000 escolas da rede pública ainda estão sendo analisados.





- Vai para a comissão de publicações. A comissão vai ouvir os secretários estaduais e municipais. Alguns parlamentares pediram para participar da reunião e participarão. O material vai sendo refeito a partir da visão do ministério da Educação.
Mesmo não sendo ainda oficiais, os vídeos estão sendo produzidos e discutidos pelo ministério e ONGs de defesa dos homossexuais há pelo menos um ano.  O site da ONG responsável pelos vídeos mostra que eles foram produzidos em parceria com o MEC.
Para o deputado George Hilton (PRB-MG), a justificativa do ministro não convenceu.
- É papel do Estado ter a formação do aluno do ponto de vista didático e profissional. Não de comportamento.
O kit é composto de três vídeos com duração média de quatro minutos. Um deles fala da descoberta, pelos colegas de escola, do namoro entre duas meninas.
Outro mostra o sofrimento de um garoto transexual. E o terceiro trata da bissexualidade.
Os vídeos podem até ter a intenção de combater a homofobia, a discriminação contra os homosexuais. Mas para muitos especialistas o material é inadequado para ser distribuído na rede de ensino. Algumas escolas, inclusive, acham que não é papel delas discutir a opção sexual de cada um dentro da sala de aula.

A psicopedagoga Cláudia Baratella concorda que o material contribui para aumentar o preconceito nas escolas.
- Se for veiculado dessa forma, ele pode até alimentar o preconceito.
Para saber o que os estudantes acham do material, reunimos um grupo de alunos do ensino médio, entre 15 e 17 anos, para assistir os vídeos, que já estão na internet. Alguns ficaram surpresos. Outros acharam graça. E teve quem se sentiu incomodado com as histórias.
A estudante de 16 anos Jenifer Carvalho é contra a veiculação do material.
- Se querem mostrar vídeo mostrando a homofobia, deviam mostrar dados do porquê disso acontecer. Não histórias fictícias assim.
Rafael Andrade, de 15 anos, é estudante e não gostou do conteúdo .
- As histórias estão muito fantasiosas. Teriam que mostrar uma história de vida real,
O professor do ensino médio Edson Donizetti desconfia da eficácia do kit anti-homofobia.
- Penso que a orientação sexual tem espaço no ambiente educacional, porém aquilo que diz respeito à intimidação de cada pessoa, talvez haja um ambiente mais propício para que seja discutido e debatido que é o ambiente familiar.

Assista ao vídeo:


Comentários