Ao menos 14 milhões de crianças devem ir ao posto para tomar vacina hoje

Campanha inclui proteção contra a poliomielite e, em oito Estados, contra o sarampo

 
Eugênio Moraes/Hoje em Dia/AE
Eugênio Moraes/Hoje em Dia/AE
Duas gotinhas protegem contra a paralisia infantil

Este sábado (18) é um dia importante para a proteção das crianças brasileiras contra duas doenças que podem levar à morte, mas são facilmente evitáveis por meio de vacinas: a poliomielite, que pode causar paralisia infantil, e o sarampo.
Todas as crianças de todos os Estados que tiverem menos de cinco anos devem ir aos postos de saúde hoje para tomar as gotinhas da vacina que protegem contra a poliomielite. E, em oito Estados (Ceará, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul), os pequenos de um a seis anos de idade vão receber uma injeção que dá imunidade contra o sarampo.


Felipe Maia
 

Essas vacinas são oferecidas gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e estão disponíveis durante todo o ano nos postos de saúde, para a imunização de rotina. Mas, de acordo com o Ministério de Saúde, “é fundamental levar as crianças às campanhas de vacinação, porque elas reforçam a proteção da saúde delas”.
As crianças devem tomar a vacina na campanha mesmo que já tenham sido imunizadas anteriormente.
O horário da vacinação depende da estratégia de cada cidade ou Estado – em São Paulo e no Rio de Janeiro os postos vão abrir das 8h às 17h.

Veja quando levar seu filho ao posto para vacinação
Doses protegem contra a paralisia infantil e o sarampo

Campanhas NacionaisDataPúblicoEstado
1ª etapa da Campanha
Nacional de Vacinação contra
a Poliomielite
18 de junho (dia
de mobilização)
Crianças de até quatro anos, 11 meses
e 29 dias
Todos os Estados e municípios
1ª fase da Campanha de Seguimento contra o Sarampo18 de junho a 22 de julhoCrianças de um ano até seis anos, 11 meses e 29 diasTodos os municípios de: AL, BA, CE, MG, PE, RJ, RS, SP
2ª etapa da Campanha
Nacional de Vacinação contra
a Poliomielite
13 de agosto (dia
de mobilização)
Crianças de até quatro anos, 11 meses
e 29 dias
Todos os Estados e municípios
2ª fase da Campanha de Seguimento contra o Sarampo13 de agosto a 16 de setembroCrianças de um ano até seis anos, 11 meses e 29 diasTodos os municípios de: AC, AM, AP, ES, GO, MA, MS, MT, PA, PB, PI, PR, RN, RO, RR, SE, SC, TO e DF

Brasil está livre da pólio desde 1989
No caso da poliomielite, a meta é vacinar ao menos 95% das 14,1 milhões de crianças nessa faixa etária no país. A poliomielite é uma doença infecciosa causada pelo poliovírus selvagem, que pode atingir o sistema central e causar paralisia muscular ou até a morte.
A doença é altamente infecciosa e afeta principalmente crianças pequenas. O vírus é transmitido por meio de água e alimentos contaminados e se multiplica no intestino, de onde pode se alastrar e invadir o sistema nervoso. Com isso, ele pode destruir neurônios motores, que ativam os músculos. O paciente pode ter a chamada paralisia flácida, que atinge principalmente os membros inferiores.
Uma em cada 200 pessoas infectadas acaba ficando paralisada de forma irreversível. Entre essas pessoas, de 5% a 10% morrem porque os músculos envolvidos na respiração ficam paralisados.
Por causa das campanhas de vacinação contra a doença, realizadas no Brasil há mais de 30 anos, o país não registra casos da doença há mais de 20 anos – o último caso foi confirmado em 1989, na Paraíba.
O problema é que o vírus ainda circula em algumas regiões do mundo: em 26 países ainda há casos da doença e em quatro (Afeganistão, Índia, Nigéria e Paquistão) a transmissão é constante. Por isso é preciso continuar vacinando, para que a doença não volte.

Europa vive surto de sarampo
A vacinação contra o sarampo, que começa neste sábado (18) e vai até o dia 22 de julho, também é importante em razão de estar havendo um surto da doença na Europa. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), até abril deste ano 33 países do continente informaram ter, no total, 6.500 casos da doença neste ano. Só a França teve 5.000 casos da doença.
 
A ideia é proteger melhor os brasileiros antes do período de férias. Nesse primeiro momento, devem se vacinar 10,2 milhões de crianças entre um e seis anos de idade em oito Estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.
De acordo com o Ministério da Saúde, esses locais foram escolhidos para a primeira fase da campanha porque têm maior fluxo turístico, alta densidade populacional e baixa cobertura vacinal nos últimos anos. Os outros Estados vão fazer campanhas de vacinação contra a doença em um segundo momento, de 13 de agosto a 16 de setembro deste ano (veja mais detalhes na tabela acima).
A última grande campanha de vacinação contra o sarampo foi realizada em 2004, então o governo quer aumentar a cobertura vacinal entre as crianças que nasceram nesse período e podem não ter se imunizado contra a doença em vacinações de rotina. Caso menos de 95% das pessoas não estejam protegidas contra a doença, há riscos para o país.
Por causa desse surto na Europa, o governo também recomenda que pessoas que forem viajar para o exterior estejam com a vacinação em dia. O indicado é ir até um posto de vacinação e tomar a dose contra o sarampo ao menos 15 dias antes da viagem.
A diretora de Imunização da Secretaria da Saúde de São Paulo, Helena Sato, diz que, com esse cenário internacional, é muito importante que as pessoas se vacinem.
– Com o período de férias, e os brasileiros indo viajar para o exterior, existe a preocupação de que o vírus seja reintroduzido no país.
O Brasil não registra casos de sarampo contraídos dentro do país desde 2000. Foram registradas infecções pela doença em 2010 e neste ano, mas todos os casos foram de pessoas que viajaram para o exterior.
De acordo com a OMS, o sarampo é a principal causa de morte de crianças no mundo, apesar da existência de uma vacina contra a doença – o Brasil realiza campanhas de vacinação contra a doença há mais de 40 anos.
Segundo a infectologista pediatra Lily Yin Weckx, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), pessoas de todas as idades podem ser infectadas pela doença.
– Quem não é vacinado é suscetível ao sarampo, tanto adulto quanto criança.
O sarampo é altamente contagioso e pode ser transmitido de pessoa para pessoa, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, falar ou respirar. A doença pode causar febre, tosse, coriza, diarreia, exantema (manchas avermelhadas na pele) e conjuntivite. O vírus também pode causar pneumonia, levando o paciente à morte.
De acordo com os especialistas, não há qualquer problema em tomar as duas vacinas ao mesmo tempo. Apenas devem evitar a dose as crianças que estejam imunodeprimidas (pacientes que estejam em tratamento contra o câncer ou a Aids, por exemplo, ou outras doenças que afetem o sistema de defesa do corpo contra infecções).
Os pequenos que estiverem com febre acima de 38ºC devem ser avaliados por um médico antes de tomar a dose.

Comentários