Dia dos Namorados: comércio espera vender mais de R$ 60 milhões



Expectativa é de aumento de 12% em relação ao ano passado

A menos de duas semanas do Dias dos Namorados, os lojistas da cidade do Rio de Janeiro esperam vender mais de R$ 60 milhões até o dia 12 de junho. Depois do Natal e do Dia das Mães é a maior data comemorativa do setor. A expectativa é de que o movimento seja o melhor dos últimos seis anos com um aumento de 12% em relação ao ano passado.
Os dados são da pesquisa Expectativa de Vendas para o Dia dos Namorados, realizada entre os dias 19 e 26 de maio pelo CDL-Rio (Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro), que ouviu cerca de 500 lojistas.

Segundo os comerciantes, a previsão de aumento poderá ser superada, principalmente se confirmada a tendência que vem ocorrendo até agora, quando mais de um milhão de pessoas consultaram o Serviço de Proteção ao Crédito da entidade à procura de crédito e cerca de 70 mil quitaram suas dívidas.
De acordo com a pesquisa, os lojistas acreditam que vestuário, bolsas e acessórios, calçados, joias e bijuterias, perfumes, relógios, celulares produtos de beleza devem ser os presentes mais vendidos.
A estimativa de preço médio dos presentes por pessoa deve ser de R$ 120. Os clientes deverão utilizar prioritariamente o cartão de crédito parcelado como forma de pagamento, seguido do cartão de débito, cheque parcelado, a prazo (crediário) e dinheiro.
Outro dado levantado pela pesquisa é de que as mulheres (55,7%) são as que mais presenteiam e a preferência pela compra na loja é maior do que pela internet.
Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio, disse que os lojistas estão otimistas com as vendas no Dia dos Namorados.
- É a terceira data mais importante para o comércio. Os comerciantes estão criando uma série de estímulos para aumentar as vendas, entre eles promoções, descontos, sistemas de crédito diferenciados e diversificação de produtos. Tudo isso nos leva a crer que teremos um Dia dos Namorados bem melhor do que no ano passado, quando as vendas cresceram 10%.

Comentários