Diploma de jornalismo: onde você pode e não pode trabalhar





sem graduação

Mídia Aflora

A poucos dias de completar dois anos, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que derrubou a exigência do diploma de jornalismo para atuar na área, provocou leis contrárias à decisão. Mesmo com a decisão do ministro Gilmar Mendes, relator do caso, órgãos públicos nas cidades de Belo Horizonte, Campina Grande-PB, Natal e Maceió e os estaduais de Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul rejeitam candidatos para vagas de jornalismo que não tenham graduação específica em comunicação social.
A última cidade a aprovar o projeto de lei foi Campina Grande. O PL foi criado pelo vereador Fernando Carvalho (PMDB) e aprovado na última semana. A próxima cidade a debater projeto semelhante é Curitiba, que discutirá o assunto em audiência pública na sexta-feira (10) a partir das 10h, na Câmara Municipal. O projeto é de autoria do vereador Francisco Garcez (PSDB).
No ano passado, políticos do Rio de Janeiro e do Amazonas apresentaram projetos para a exigência do diploma de jornalismo em seus respectivos estados, mas os PLs foram rejeitados.



 
Milton Neves chama Neto de analfabeto e comentarista abandona programa
A transmissão do pós-jogo na Band da final da Copa do Brasil, na qual o Vasco da Gama se consagrou campeão, apesar da derrota de 3 a 2 para o Coritiba, acabou em confusão entre Milton Neves e o comentarista Neto. Durante o Terceiro Tempo, que foi ao ar no início da madrugada desta quinta-feira (9), o apresentador não perdoou os erros de portugûes que foram cometidos pelo ex-meia do Corinthians, que abandonou o programa.

‘Centravante’

A discussão começou quando Neto estava falando do desempenho de Alecsandro, atacante que marcou o primeiro gol da noite a favor do time da cruzmaltino. “Para quem não sabe, esse ‘centravante’...”, disse o comentarista, ao ser interrompido por Milton. “Seu analfabeto. É centroavante, com ‘o’. Não é centroavante”, reclamou.

“Vai voltar para o grupo escolar”, ironizou o apresentador, que na sequência do programa errou ao ler o texto do TP e, dessa vez, foi alvo do troco de Neto. “Você também errou. Leu errado. Você não consegue ler nem o TP?, questionou”.

’50 par’

Quando a questão do ‘centravante’ foi deixada de lado, o Terceiro Tempo seguiu normalmente, até o momento em que Neto lembrou que tinha vencido a aposta feita com Milton Neves. Na ocasião, o comentarista apostou no Trem Bala da Colina, enquanto o apresentador afirmou que o Coxa Branca seria o campeão da Copa do Brasil. Com a perda, Milton deveria pagar 50 pares de sapatos da marca Rafarillo para Neto.

“O Rafael (da Rafarillo) acabou de mandar uma mensagem, dizendo que ‘os 50 par’ de sapato estão separados para você ir lá buscar”, disse Neto, que, ao ‘tropeçar’ na concordância entre singular e plural, ouviu mais reclamações.

“O quê? Seu analfabeto. São 50 pares e não ’50 par’. Seu ‘anarfa’”, esbravejou Milton.

"Não faço mais o programa"
Após a observação do apresentador, Neto abandonou o programa. “Estou indo embora, não faço mais o programa”, reclamou. Com o desaparecimento do comentarista do vídeo, Milton chamou o intervalo comercial. Na volta, Neto não voltou a aparecer na TV até o final da edição do Terceiro Tempo.

Comentários