Guerra no campo faz nova vítima no Pará ...

... e agrava conflito agrário

trabalhador rural
Informe da Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgado ontem (14)  revela que mais um trabalhador rural foi assassinado no Pará. Obede Loyla Souza, 31, foi morto na última sexta-feira com um tiro de espingarda, segundo a denúncia. O corpo foi encontrado somente no domingo e foi enterrado nesta terça-feira. Souza morava no acampamento Esperança, em Pacajá, cidade situada entre Marabá e Altamira. Uma força-tarefa da Polícia Federal segue na região para investigar e tentar evitar novos crimes motivados pela luta dos trabalhadores pela terra e a preservação da floresta.
A CPT informou, ainda, que Souza e outros moradores da área haviam discutido no início do ano com representantes de madeireiros. A Polícia Civil confirmou a morte, mas nega a existência de informações de que o crime esteja vinculado a conflito agrário. O delegado José Humberto de Melo, da Delegacia de Conflitos Agrários de Marabá, disse que o assassinato ocorreu por “motivo interno”.

Esse é o quinto assassinato no campo registrado pela CPT no Pará desde maio, quando foram mortos os extrativistas José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo, em Nova Ipixuna (sudeste do Estado). Segundo a polícia, as outras duas mortes que ocorreram depois também não são ligadas a conflitos pela terra.
Há três semanas, uma série de crimes ligados à conservação da Floresta Amazônica vem mostrando ao país o conflito que se desenvolve há décadas na região. Marcos Gomes da Silva, lavrador de 33 anos, foi morto a tiros por volta das 21h de quarta-feira do dia 1º deste mês, em um assentamento em Eldorado dos Carajás, o mesmo palco onde, em abril de 1996, 19 sem-terras foram assassinados em confronto com a polícia.
No último dia 24, dois líderes rurais, o casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e sua mulher, Maria do Espírito Santo da Silva, foram mortos após emboscada em uma área do Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira, no sudeste do Pará. Dias depois, o corpo de outro trabalhador rural foi encontrado no mesmo local do crime.
Dejesus Martins Araújo, vizinho de Marcos Gomes da Silva, foi quem registrou o boletim de ocorrência, às 9h52 da manhã desta quinta-feira 2. De acordo com Dejesus, ao tentar socorrer Marcos, ainda na noite de quarta-feira, seu carro foi interceptado por dois homens armados no momento em que o transportava para um hospital em Eldorado dos Carajás. Os homens teriam exigido que o lavrador fosse retirado do veículo e que os outros ocupantes corressem na direção oposta. Dejesus obedeceu e o trabalhador rural foi morto alí mesmo.
Dejesus só retornou à cena do crime nesta manhã, quando constatou a morte do vizinho e avisou as autoridades policiais. O inquérito está sendo investigado pelo delegado de Eldorado dos Carajás, Elias Jorge de Carvalho, que está realizando um levantamento da área. O superintendente regional da Polícia Civil do sudeste do Pará, delegado Alberto Henrique Teixeira, diz que as investigações sobre a morte do trabalhador rural ainda não foram concluídas.

Comentários