Qualificação na área da construção civil

Qualificação na área da construção civil

Frase do dia

“O amor é tudo”
(Jesus Cristo)







terça-feira, 7 de junho de 2011

Visão la Flora alerta: 'ração humana' pode causar anemia

Governo proíbe

Esse tipo de composto não contém nutrientes necessários para alimentação adequada

Reprodução
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou nesta terça-feira (7) uma nota que alerta sobre os riscos à saúde no uso do produto popularmente conhecido como “ração humana”.
Maria Cecília Brito, diretora da agência, detalhou os riscos.
- A substituição de refeições sem a orientação de profissionais de saúde pode gerar danos, como a anemia, devido à carência de nutrientes.
Além de dizer que esse tipo de produto não contém os nutrientes necessários para uma alimentação adequada, o órgão ligado ao Ministério da Saúde estabelece que a expressão “ração humana” não pode ser utilizada como denominação de venda de produtos compostos por misturas de diferentes cereais, farinhas, farelos, fibras e outros ingredientes, como guaraná em pó, gelatina em pó, cacau em pó, levedo de cerveja, extrato de soja, linhaça e gergelim.



Alegações de propriedades medicamentosas, terapêuticas e relativas a emagrecimento não podem constar do rótulo ou material publicitário do produto, como explica a diretora.

- Vale destacar que não é permitida, na formulação de alimentos, a utilização de substâncias farmacológicas e fitoterápicas, tais como ginseng, ginkgo biloba e sene.

A empresa que desejar comercializar produtos com alegações de propriedades funcionais e ou de saúde deve solicitar registro desses produtos junto à Anvisa. Durante o processo de análise do pedido de registro, a Agência irá verificar a segurança e eficácia. Além disso, a empresa terá que comprovar que o produto realmente cumpre a alegação que promete. Apenas depois de conseguir o registro, o alimento poderá ser colocado a venda.

As empresas que não cumprirem as exigências estão sujeitas a pagar multas de até R$ 1,5 milhão.
Postar um comentário