Recompensa de até R$ 5 mil por informações sobre modelo Luana


Disque-Denúncia oferece 

Modelo desapareceu no dia 9 de maio na comunidade da Rocinha

Divulgação
Procurados Rocinha
Todos os suspeitos tiverão a prisão decretada

O Disque-Denúncia lançou nesta quinta-feira (20) o cartaz de recompensa por informações que levem aos acusados do desaparecimento da modelo Luana Rodrigues de Sousa e sua amiga Vanessa de Oliveira. As garotas estão desaparecidas desde o dia 9 de junho, quando foram vistas pela última vez em frente a uma concessionária de veículos próxima à Rocinha.

O chefe do tráfico de drogas na Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, e outros quatro traficantes entre eles Anderson Rosa Mendonça, o Coelho, Tiago de Sousa Cheru, o Dorey, Rodrigo Belo Ferreira, o Rodrigão e Ronaldo Patrício da Silva, O Ronaldinho foram identificados como suspeitos do desaparecimento das vítimas. Todos tiveram a prisão decretada.
Quem tiver informações poderá colaborar com a polícia através do telefone (0XX21) 2253-1177. O anonimato é garantido. 

Entenda o caso


Amigos e familiares de Luana confirmam a informação de que as duas jovens teriam sido carbonizadas. Mesmo sem o corpo, a família celebrou no dia 18 de maio a missa de sétimo dia em homenagem à modelo.
No fim de maio, a Polícia Civil do Rio descobriu para quem Luana ligou pouco antes de desaparecer. A DH não informou para quem foram os telefonemas e a quebra do sigilo telefônico foi autorizada pela Justiça.
A DH também busca saber se o desaparecimento de Luana seria uma retaliação à suposta denúncia de que a modelo teria informado à polícia sobre o esconderijo de drogas na comunidade. Ela teria indicado ao suposto namorado da Polícia Militar o local onde a Polinter apreendeu 2,6 t de maconha em abril deste ano.
Há suspeitas de que, com autorização do traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, as duas tenham sido esquartejadas e os corpos queimados antes de serem enterrados em uma região de mata na comunidade.
Outra linha de investigação sugere que o crime tenha causa passional. Segundo moradores da Rocinha, Luana namorava um morador da comunidade e pode ter sido morta por ter se envolvido com outro homem antes de romper o relacionamento.
A polícia só tem confirmado que a jovem saiu da casa dos pais acompanhada de uma amiga, na Vila das Canoas, em São Conrado, na Zona Sul, informando que ia para a Rocinha e não voltou mais. Segundo a polícia, quanto à amiga de Luana, não há registro sobre desaparecimento dela.
R7

Comentários