Atendimento do INSS trava e revolta segurados


No primeiro dia de consulta, aposentados tiveram muita dificuldade para saber se têm direito à revisão do teto previdenciário. Site e Central 135 ficaram congestionados

POR ALINE SALGADO


A segunda-feira foi de desalento para os mais de 117 mil segurados beneficiados pela revisão dos ganhos na ação do teto. A Central 135 e o site da Previdência não conseguiram suportar acessos consecutivos e deixaram na mão quem procurava saber se teria direito ou não à correção dos benefícios, que chega a 39,35%.
Após horas sem conseguir descobrir se estariam ou não na lista dos contemplados pela correção, muitos ligaram para a Federação dos Aposentados e Pensionistas do Rio (Faaperj). “O atendimento também não foi claro. Chegaram a informar apenas que ‘o benefício não foi remetido para análise’ a um segurado que se aposentou em 94, foi limitado ao teto e já até teve o cálculo aprovado”, criticou o advogado Carlos Jund, assessor jurídico da federação. 

O aposentado Getúlio Novais, 66 anos, deixou para telefonar após às 19h, por saber que o movimento seria menos intenso e a chance de ser atendido aumentaria. Ele descobriu que terá direito à correção, mas se queixou da falta de clareza: “Vou receber, mas pediram para retornar em 30 dias. Estranho, achei que estivesse tudo certo.”

O INSS não informou quando será divulgada a lista dos segurados com direito ao pagamento dos atrasados dos últimos cinco anos. Para aposentados e pensionistas com doenças crônicas, a corrida foi em direção ao Sindicato dos Aposentados da Força Sindical: 58 procuraram ontem a entidade para se cadastrar na lista de prioridades para o pagamento de atrasados. 

'O DIA' testou o serviço

COMO FOI
Repórteres acessaram o site do INSS e telefonaram para o 135 atrás de informações sobre a correção ao longo do dia de ontem.

00h01
Serviço não estava disponível. Informação era que o 135 só funciona das 7h às 22h. Na Internet, não havia link nem explicação.

07h01
Central 135 entra no ar, mas sem informação sobre a correção. Na Internet, nada de link. 

Das 07h30 às 13h20
Não havia informação tanto no 135 quanto no site.

13h25
Procurado pelo O DIA, o INSS informa que as consultas só seriam abertas após o horário das 17h, fora do período de maior acesso. 

14h12
INSS envia comunicado aos jornais informando que o serviço estava no ar. O DIA testa e não consegue acesso. 

17h
O DIA intensifica as consultas, mas sem sucesso. O INSS informa que o portal recebeu mais de 60 mil acessos simultâneos. O 135 dá ocupado tanto no telefone fixo quanto no celular

18h32
Após quatro minutos de espera, O DIA consegue ser atendido pelo 135. Informação é prestada para qualquer pessoa que tenha o número de benefício de um segurado. Informam apenas se há ou não direito à correção, sem falar em valores. Site ainda não tem acesso facilitado.

Comentários