Confeiteiros podem ganhar até R$ 6.000 trabalhando em casa

Profissão não exige talento, mas treinamento dura quase 2 anos e custa cerca de R$ 5.000



Juraci
Raphael Hakime/R7

Custo do bolo vai de R$ 12 a R$ 15 por quilo, mas é possível vender a  R$ 35, com lucro de mais de 150%, afirma o instrutor Juraci dos Santos

Sonho da maioria dos brasileiros, dizer adeus ao patrão e começar o próprio negócio do zero pode ser mais fácil que se imagina. Se você tem talento – ou não – e gosta de doces, por que não produzir bolos, tortas, bem-casados, trufas, cookies, cupcakes e outros doces finos em casa? Com dedicação, prática e treinamento, um confeiteiro chega a ganhar R$ 6.000 por mês. 

De olho em um público diverso, que vai desde os donos das megapadarias até o empreendedor ou a dona de casa que pretende complementar a renda da casa, a Fipan (maior feira de panificação e confeitaria da América Latina) apresenta as novidades do setor de pães e doces em geral. O evento vai até a próxima sexta-feira (22). 

Há 23 anos no mercado de confeitaria e panificação, o instrutor Juraci Inácio dos Santos explica que os produtos geralmente possuem bastante valor agregado, o que gera lucro interessante para quem trabalha em casa – e, por isso, não precisa gastar com funcionário e aluguel do ponto de venda. 

- O custo de um bolo vai de R$ 12 a R$ 15 por quilo, mas a boleira pode cobrar entre R$ 25 e R$ 35. Ou seja, é um lucro de mais de 150%. Trabalhando de 8 horas a 12 horas por dia, a renda pode chegar a R$ 5.000 ou R$ 6.000. 

Se existe a insegurança quanto a largar o trabalho atual para trabalhar em casa com um negócio que você não tem tanta familiaridade, uma alternativa é começar a produzir doces para complementar a renda. 

A confeiteira e professora Silvana Xavier explica que criar e fabricar cupcakes em casa pode ser uma saída para ajudar a engordar o bolso. Doce da moda no Brasil, um cupcake “custa cerca de R$ 1,50 para ser feito, mas dá para cobrar, no mínimo, R$ 4,50, já que tem um valor agregado por causa da arte”, segundo Silvana. 

- Se pessoa trabalha em uma empresa de telemarketing e ganha entre R$ 800 e R$ 1.200, se ela começar a fazer cupcakes, brigadeiro e uns “bolinhos” eventualmente, ela consegue chegar a R$ 3.000 no fim do mês. 

A contadora Silvana de Oliveira mora em Suzano (SP), está desempregada e foi à Fipan para se especializar na fabricação de confeitos e mudar de profissão. Com a ajuda da sobrinha Carolina Zocchio, ela pretende abrir um pequeno negócio em casa para abastecer a mesa de doces das festas de aniversário da família. 

- Teve o aniversário da minha sobrinha de três anos e resolvi fazer copinhos recheados de chocolate para a festa. Quando fui comprar os ingredientes, soube de alguns cursos na loja e fiz o de [produção de] bolo. Gostei e resolvi ir atrás da área de confeitaria. Se eu chegar a tirar R$ 1.500 por mês, já estou feliz. Só de trabalhar em casa e cuidar dos filhos, isso não tem preço. 



Silvana e Carolina


Nunca cozinhou? 


Quem nunca colocou o pé na cozinha também tem espaço no segmento de panificação e confeitaria. Os culinaristas juram que não é necessário ter o dom de cozinhar ou fazer malabarismos no fogão para criar doces que são verdadeiras obras de arte. No entanto, é necessária muita dedicação para aprender as técnicas, o que pode levar até um ano e meio. 

Algumas empresas que fabricam utensílios e embalagens para doces oferecem cursos rápidos - que vão de três horas por dia até cinco horas em uma semana - para quem “nunca fez um brigadeiro sequer em casa”. Esses treinamentos têm custos simbólicos, de R$ 5 a R$ 10, já que o objetivo principal é incentivar os alunos a consumir produtos da marca depois de treinados. 

No entanto, se o aluno quer se especializar, o ideal é procurar um curso de formação mais longo, como os oferecidos pelo Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) ou pelo IDPC (Instituto para o Desenvolvimento de Panificação e Confeitaria), que tem mais de 40 cursos ligados à área de panificação e confeitaria. 

Rodrigo Chaluppe, gerente técnico executivo do IDPC, explica que o aluno precisa de um investimento de menos de R$ 300 para se tornar um bom padeiro ou confeiteiro. 

- No caso do curso técnico de panificação e confeitaria, dura um ano e oito meses. Após esse curso, o aluno faz um estágio e, depois, já pode entrar como padeiro, embora vá precisar de mais horas de experiência. Esse [curso] custa cerca de R$ 285 por mês. 

Ao final do treinamento, que exige o pagamento de 18 parcelas, o investimento total será de R$ 5.130.


Mais informações - http://www.fipan.com.br/fipan

Comentários