Em Cabo Frio, cuidado com os números


Por Alberto Castro Neto 
Carlos Sepúlveda

            Recentemente, o jornal COMPLETO (sic), um meio de comunicação oficial, publicou algumas comparações sobre a relação entre servidores municipais e população do município. Comparou os municípios de Cabo Frio, Armação dos Búzios e Arraial do Cabo.
            Quando se passeia pelo país dos números, é de fundamental importância saber como tratá-los. Neste caso, o articulista se esqueceu de um conceito muito importante e que trata das economias e deseconomias de escala. Bem, mas isso é muito técnico. O que se quer dizer é que jacas devem ser comparadas com jacas e melancias com melancias. Se errarmos, podemos ter uma indigestão!
            Um município com as dimensões de Cabo Frio deve ser comparado com outros municípios com as mesmas dimensões, no caso, populações equivalentes.
            Consultando um trabalho desenvolvido pelo Tribunal de Contas do Estado do RJ, denominado “Estudos Sócio-Econômicos dos municípios2010”, selecionamos, como deve ser feito, os municípios com população entre170.000 a230.000 habitantes, e observamos o seguinte:


Outros = “portarias” + contratos por tempo determinado

            Excluindo-se os pontos extremos (Magé e Macaé) encontramos a média de 1 servidor para cada 38,39 habitantes. Cabo Frio se destaca com 1 servidor para cada 15.96 habitantes, ou seja, a Prefeitura possui um funcionário para cada dezesseis cabo-frienses. Cada família pode dizer que tem um funcionário para chamar de seu!
            Bem, com essa quantidade de servidores (11.666) sendo que só de contratados e “portarias” temos7.455, a Prefeitura deveria funcionar como uma máquina eficiente e azeitada. Mas não é o que acontece. Cremos ser desnecessário relatar a situação precária em que se encontra nosso município. Basta acessar um dos diversos blogs locais – nossa verdadeira imprensa livre – para que tenhamos uma idéia de quantos degraus já descemos da escada da dignidade, da honestidade, do respeito, da justiça e de tudo o mais!
            Ainda digno de nota é a relação de Macaé (12,15). Ou existem peculiaridades que exijam uma máquina administrativa robusta – diante de ser um município pólo para a industria petrolífera – ou o vírus que nos flagela já a contaminou. Mas isso será tratado em ocasião oportuna.
            Da mesma forma procedemos para os municípios de Búzios e Arraial e selecionamos um intervalo populacional entre 25.000 e 30.000 habitantes:


Outros = “portarias” + contratos por tempo determinado

            Nota-se que os dois municípios citados apresentam uma relação servidor/população que não se afasta muito da média que iguala 14,79, se adotarmos os mesmo critérios anteriores.. O único destaque fica por conta de Búzios. A Armação apresenta uma quantidade de servidores contratados e “portarias” que atinge à cifra de 1.323. Talvez ela tenha as mesmas “necessidades” de sua vizinha Cabo Frio ou, à semelhança de Macaé, foi contaminada pela virose, essa palavrinha muita usada por nossos doutores e que quer dizer muita coisa e, também, não quer dizer nada!

Comentários