Em Macaé, tarifa de táxi aumenta e taxímetros inadequados prejudicam usuários


O reajuste de 14,5% autorizado por meio de decreto municipal entrou em vigor em junho, mas até agora os taxímetros exibem o preço antigo.

Desde o mês passado, as corridas de táxis estão mais caras em Macaé. Mas o aumento ainda não está sendo cobrado porque os taxímetros ainda não foram aferidos. Como alternativa, voltaram as velhas "tabelinhas" que trazem transtornos para motoristas e passageiros. Muita gente está insatisfeita com a situação. Até os taxistas admitem o transtorno e dizem que também se sentem incomodados.


É na hora que pagar a corrida que alguns passageiros reclamam. O motivo está relacionado ao novo valor do quilômetro rodado. O reajuste de 14,5% autorizado por meio de decreto municipal entrou em vigor em junho, mas até agora os taxímetros exibem o preço antigo. A correção é feita por meio de tabela, disponível nos 107 táxis cadastrados em Macaé.


Os taxímetros ainda não registram o novo valor da corrida porque não foram adaptados pelo Instituto de Pesos e Medidas, órgão responsável por esse tipo de serviço. Como a cidade não tem representante do Ipen, profissionais do Rio vão ter que ia até o município para realizar o trabalho. O que só deve ocorrer em outubro.


Para chegar ao reajuste concedido, a prefeitura fez um estudo técnico levando em conta os reajustes de combustível e peças de manutenção. Os taxistas estavam há dois anos sem ter aumento na tarifa.


A Equipe da InterTv tentou falar com o Ipen do Rio de Janeiro, mas ainda não teve nenhuma resposta.

Comentários