Na região serrana, Promotoria investiga denúncias de desvio de verbas em cidades devastadas pelas chuvas


Inquéritos apuram doações, contratação irregular de empresas e superfaturamento de obras

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro investiga suspeita de esquema de desvio de verbas nas prefeituras das cidades da região serrana atingidas pelos deslizamentos e enchentes em 11 de janeiro. Seis meses após a tragédia, a Promotoria faz investigações em três dos municípios mais atingidos - Teresópolis, Nova Friburgo e Petrópolis.



No caso de Petrópolis, o inquérito abrange as regiões de Areal e São José do Vale do Rio Preto. Eles apuram os valores doados à cidade, acompanham o resultado das medidas emergenciais e “visam a tutelar a saúde, a moradia e a população” do município. Por enquanto, o inquérito está na fase de verificação do uso de verbas e já houve reunião da Promotoria com a CGU (Controladoria-Geral da União).

Em Nova Friburgo, o Ministério Público instaurou dois inquéritos que apuram doações feitas em conta-corrente pública, além de suspeita de contratação irregular de engenheiros e empresas de engenharia.

Já em Teresópolis, há inquéritos que apuram o superfaturamento de obras e a contratação de empresas de engenharia que prestaram serviços ineficientes ou já executados por outras empresas. 

Apesar de as denúncias de superfaturamento em obras realizadas na cidade, pouco foi feito até o momento, já que as marcas da tragédia na região serrana ainda estão por toda parte. Os moradores de Teresópolis ainda convivem com grande quantidade de escombros, lama, lixo e poeira em parte das 79 localidades devastadas pela catástrofe. 


A prefeitura de Teresópolis nega que esteja envolvida em irregularidades. As autoridades da cidade afirmam que o município passa por uma disputa política entre ex-prefeitos e pessoas contrariadas com a atual gestão, e que estão tomando as providências jurídicas para obter reparação sobre o que entendem ser calúnia e difamação. O Poder Executivo reitera o empenho em recuperar a cidade da maior tragédia natural do Brasil, agindo com responsabilidade e comprometimento com os cidadãos.

Procurada pela reportagem do R7, as prefeituras de Nova Friburgo e Petrópolis não quiseram se pronunciar a respeito ou não tinham posicionamento oficial sobre o assunto. As denúncias sobre os desvios de verba nas três cidades mais atingidas foram repassadas por uma fonte do Ministério Público do Rio de Janeiro que não pode se manifestar, já que todos os inquéritos correm sob segredo de Justiça.

Comentários