Prefeito de Magé é ameaçado de prisão após ser expulso três vezes de colégio eleitoral


Vereador foi preso em flagrante comprando votos em casa de bingo

Agência O Dia
mage
Cidade terá o quarto prefeito em pouco mais de dois anos

O prefeito em exercício de Magé, Anderson Cozzolino, foi expulso três vezes da escola Jorge Veríssimo, um dos maiores colégios eleitorais da cidade, e quase foi preso por determinação do presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), o desembargador Luiz Zveiter, porque fazia boca de urna na eleição municipal que acontecem neste domingo (31). Com o mandato cassado desde 2009, a ex-prefeita e irmã de Anderson, Núbia Cozzolino também esteve no local mais cedo para votar.
Segundo o TRE, ele circulava pela escola e tentava “intimidar” eleitores a votar no candidato apoiado pela família Cozzolino, que há anos controla o cenário político em Magé. Mais cedo, um vereador foi preso em flagrante por agentes da Polícia Federal dentro de uma casa de bingo. Ainda de acordo com o TRE, ele tentava comprar votos de eleitores. 



Mariana Costa
Também pela manhã, o chefe da Guarda Municipal, conhecido como Renatinho PM, foi preso por fazer boca de urna para o candidato Werner Saraiva (PT do B), apoiado pelos Cozzolino. 

Forte esquema de segurança
forte esquema de segurança montado para as eleições de Magé conta com um efetivo de 530 policiais militares, 120 policiais civis, 40 agentes da PF e oito equipes da PRF (Polícia Rodoviária Federal). O TRE montou um gabinete na cidade e as eleições estão sendo acompanhadas pelo próprio presidente do tribunal e pelo comandante da PM, Mário Sérgio Duarte. 
Equipes da Corregedoria da PM também atuarão no dia da eleição. Delegacias especiais foram montadas para efetuar eventuais prisões.

O clima na cidade tem sido tenso nos últimos dias, com inúmeras denúncias de crimes eleitorais e apreensões de dinheiro suspeito. Magé terá o quarto prefeito em pouco mais de dois anos.
A ex-prefeita Núbia Cozzolino foi eleita em 2008, mas ela e o vice Rozan Gomes acabaram cassados por abuso de poder econômico e político, e uso indevido dos meios de comunicação. Com a prefeita e o vice afastados, o cargo foi ocupado pelo então presidente da Câmara dos Vereadores, Anderson Cozzolino, que é irmão de Núbia.
Servidores da prefeitura também acusam o atual prefeito de não pagar os salários de funcionários que participaram de campanhas para candidatos da oposição.

Comentários