Professores grevistas fazem manifestação no Largo do Machado neste sábado


Eles seguirão para a Marina da Glória, onde haverá o sorteio das eliminatórias da Copa

Arquivo Agência O Dia / 13.07.2011
barracas
Greve dos professores do Estado completa quase dois meses

Os professores do Estado do Rio de Janeiro em greve há quase dois meses vão fazer uma nova manifestação na manhã deste sábado (30) no Largo do Machado, na zona sul. De lá eles sairão em caminhada em direção à Marina da Glória, onde, na parte da tarde, será realizado o sorteio das eliminatórias da Copa de 2014.
Segundo o coordenador do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), Danilo Serafim, a decisão da Justiça que permitiu o corte do ponto dos professores não vai intimidar o movimento. Ele explica que a liminar que garantia o direito à greve foi suspensa e não cassada, e que, portanto, ainda cabe recurso.
- Nós enfrentaremos.


Na quarta-feira (3), os profissionais vão se reunir em assembleia na Fundição Progresso, na Lapa, no centro do Rio, pela manhã, para decidir os rumos do movimento. Depois, está prevista uma manifestação nas escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).
Líderes grevistas permanecem acampados diante do prédio onde fica a sede da Secretaria Estadual de Educação, na rua da Ajuda, no centro do Rio de Janeiro.
No último dia 12, Risolia e um grupo de professores e sindicalistas se reuniram por cerca de três horas na sede da secretaria, após a ocupação do prédio, mas nenhum acordo foi fechado.
Ocupação
Os professores ocuparam a sede da secretaria no dia 12 para exigir a reunião com o representante do governo do Estado. Policiais militares do Batalhão de Choque chegaram a lançar spray de pimenta contra os manifestantes, que, mesmo assim, conseguiram entrar.
Os profissionais reivindicam um reajuste salarial de 26%, a incorporação imediata da gratificação do Nova Escola, e o descongelamento do plano de carreira dos funcionários administrativo. Com essa reivindicação, de acordo com o Sepe, o piso salarial inicial de um professor deixaria de ser R$ 766 e passaria a R$ 1.080.
No início do mês, os professores fizeram uma manifestação que reuniu cerca de 4.000 pessoas, segundo a Polícia Militar, no Largo do Machado, na zona sul do Rio. De lá, eles seguiram até o Palácio Guanabara, sede do governo estadual, e retornaram para Laranjeiras, onde, em assembleia, decidiram manter a greve.

Comentários