Vai dar samba?

Após merecidas férias, nosso colunista *James Jefferson retoma suas baianidades em Papo de Samba? 

Nos primeiros programas, “Vai dar Samba”, na Lagos TV apresentados pela Telma Flora e Bira do K-Ô, escrevi um texto para a abertura onde eu parodiava a Bíblia e o locutor Mauro Guedes comentava: “No principio era o Jongo, e o Jongo se fez batuque e o compasso 7 por 4, e os tambores avisaram que Vai dar Samba”. 



Acho que era mais ou menos assim, e a Telma comentou o fato após ler a notícia da homenagem com a Medalha Tiradentes nesta última terça-feira (26), à Tia Maria, uma das mais conhecidas jongueiras da Serrinha, no Palacio Gustavo Capanema, sede do Ministerio da Cultura no Rio, ou seja: o Jongo recebeu a comenda mais importante do estado.






Insistindo na paródia, no princípio é o Jongo que deu origem ao Batuque de João da Baiana, ao Caxambú, que também é nome de atabaque, as danças de umbigadas, o Samba Duro e o Samba de Roda da Bahia, e no lado cristão da religião surge as Congadas. Do outro lado do Atlântico, que os cariocas definem como “o outro lado da poça”, lá na mãe Africa, o Jongo deu origem ao Semba, em Angola já existem várias Escolas de Semba e no dizer dos jovens de lá, é um estilo de dança que agrada aos amantes, lógico, da dança.



Apesar de não ser uma expressão da religião, mantém como um traço essencial de sua linguagem a presença de símbolos das religiões trazidas dos antigos reinos de Ndongo e do Kongo, região compreendida hoje por boa parte do território da República de Angola, 



como o fogo que serve para iluminar os espíritos dos antepassados e para afinar os sagrados tambores denominados Run, Lé e Rumpi, no linguajar yoruba do Candomblé, e ou Tambu ou 'Caxambu', o maior - que dá nome a manifestação em algumas regiões - 'Candongueiro', o menor e o tambor de fricção 'Ngoma-puíta' (uma espécie de cuíca muito grande), este último raramente aparece nos jongos atuais. A dança em círculos com um casal ao centro remete à fertilidade; sem esquecer, é claro, as ricas metáforas utilizadas pelos jongueiros para compor seus "pontos" e cujo sentido permanece inacessível para os não-jongueiros. A viola e o pandeiro complementam a roda.

Em Cabo Frio a cultura jongueira é defendida pelos componentes da Tribal – Associação Cultural Tributo à Arte e à Liberdade, com manifestações em vários locais da cidade, e principalmente no Largo de São Benedito, na Passagem.

Assista os vídeos:



Tribal
http://www.youtube.com/watch?v=hbm8P7TQtjY&feature=player_embedded
Semba Mutamba
http://www.youtube.com/watch?v=wdgVtAYRLro&feature=fvst
Tribal
http://www.youtube.com/watch?v=hbm8P7TQtjY&feature=player_embedded


Semba Mutamba
http://www.youtube.com/watch?v=wdgVtAYRLro&feature=fvst


















James Jefferson
é fabricante de gaiola, bebedor de cachaça e tocador de violão

Comentários