Após denúncia, fraldas para dar e vender nas Farmácias Populares


Estoque amanhece cheio, mas ainda faltam alguns remédios

Após a ‘Blitz do DIA’ denunciar a escassez de fraldas geriátricas e remédios nas Farmácias Populares, a Secretaria Estadual de Saúde repôs o estoque nas 19 unidades. Ontem (8), após percorrer quatro farmácias — na Ilha do Governador, Jacarepaguá, Méier e Bangu — equipe de reportagem constatou, no entanto, que ainda há cinco medicamentos em falta. Antes, a lista chegava a 14.

Foto: Paulo Alvadia / Agência O Dia
Pilha de fraldas amontoadas na recepção da Farmácia Popular de Jacarepaguá, onde idoso espera por atendimento: promessa é de normalização da venda de remédios | Foto: Paulo Alvadia / Agência O Dia


Por Fernanda Alves

Há dois meses, a aposentada Otelina Ferreira, 64 anos, buscava na Farmácia Popular de Bangu um remédio para controle do colesterol. Ontem, enfim, voltou para casa satisfeita, na companhia do marido. “Agora vou voltar para o meu tratamento. Antes, sem remédio, eu tinha desistido”, revelou. Na unidade,porém, três medicamentos ainda estavam em falta.
Na Farmácia Popular do Méier, havia carência de apenas cinco, dos 56 remédios oferecidos pelo programa que os vende a R$ 1 para maiores de 60 anos e portadores de deficiência. Os que faltavam não estavam na lista da aposentada Alice Rodrigues, 75 anos. Ela se surpreendeu com as prateleiras cheias.
“Nunca vim aqui e encontrei tudo. Sempre ficava faltando remédio. Hoje vou para casa feliz”, comemorou Alice com um pacote de fraldas numa mão e um saco de medicamentos na outra.
A unidade da Zona Norte recebeu quase 70 mil fraldas geriátricas só no fim de semana, muito além do que era entregue normalmente. Na Ilha e em Jacarepaguá, havia dois remédios em falta.

Medicamento volta à venda após 2 anos
Para garantir as prateleiras cheias, a Secretaria de Saúde entregou os remédios durante o fim de semana, dias em que não são feitas entregas. Funcionários de algumas unidades trabalharam domingo, quando a unidade não abre, para organizar o estoque. O Digoxina, para o coração, não aparecia no estoque há dois anos.
O presidente do Instituto Vital Brazil, Antônio Werneck, informou que dos 5 medicamentos não encontrados na segunda-feira— Eritromicina, Digoxina, Amitripitilina, Carbonato de Cálcio e Metronidazol — um está escasso no mercado. Caso não consiga comprar Eritromicina em outro estado, ele será substituído por um similar. Ele prometeu repor os demais terça-feira. O Digoxina já chegou, mas, por problemas no cadastro, não começou a ser vendido.

Comentários