Samba agoniza mas não morre na Mangueira, na Toca do Rato, no quintal da Tia Doca...



Nem comanda o Pagode da Tia Doca, fundado por sua mãe, lendária pastora da Portela Foto: Roberto Moreyra / Extra

O tema em questão é samba de roda. Do tipo que finca raízes no chão do terreiro e brota na ponta da língua do partideiro. Simples assim, de forma espontânea, nasce ao redor da mesa da casa dos bambas. As mesmas onde hoje sentam herdeiros que, noite e dia, são os guardiões da real melodia.


Bruno Cunha
Entre eles está Nilcemar Nogueira, a idealizadora do Centro Cultural Cartola, um dos fundadores da Mangueira. Neta do mestre, ela está prestes a abrir a cerveja na mesa para brindar, no dia 3 de setembro, das 16h às 22h, a volta do "Encontro de Bambas", um samba mensal que promove no templo.
— O movimento dos sambistas tradicionais não é saudosista. Entendemos que há modificações no samba, mas não aceitamos a perda da essência. Cartola sempre dizia aos outros: "A minha música eu faço para você sentir e não apenas para guardar em uma coleção de discos" — diz Nilcemar.
O encontro, interrompido em outubro para a troca do telhado do imóvel, ela explica, ocorre nos mesmos moldes dos almoços promovidos por Dona Zica na casa de Cartola, ou seja, com direito a música e a festival de comidas baianas. E com a presença de baluartes de outras escolas, é claro, que, a partir de agora, sentirão a ginga do grupo "Precisão", onde canta Márcia Moura, filha de Jorge Zacharias e neta de Xangô da Mangueira.
— Estão devidamente ensaiados? Que assim seja, amém — emenda Nelson Sargento, automaticamente, ao ouvir um sim.
Ao deixar a mesa onde participava dessa entrevista com outros baluartes, ele lembra:
— O samba agoniza mas não morre.
 
Na Toca do Rato

O pandeiro também voltou a esquentar em Todos os Santos. Lá mesmo, na Toca do Rato, um lugar cheio de encantos onde o samba é preservado por Denise Correia, de 52 anos, a viúva do saudoso Alcino Correia, o Ratinho. Autor de nada menos do que "Parabéns pra você", "Vai vadiar", "Coração em desalinho", "Loucuras de uma paixão", e por aí vai, ele morreu em outubro, vítima de um AVC, calando o cavaco e a viola, que voltaram a chorar no local há quatro meses.
Ratinho está vivo. Quem duvida que vá à Toca do Rato no segundo sábado de cada mês, quando acontece a roda de samba. Basta entrar para sentir a presença dele diante do chapéu panamá branco na parede, do cavaquinho inseparável, do copo de uísque em cima da mesa.
— Quando compramos essa casa ele disse que faria uma castelo para mim. E fez. Aqui é um quintal mágico — diz Denise, enxugando a saudade nos olhos.
Quem não deixa o samba morrer em Madureira é Jalmir Costa, de 43 anos, o Nem, filho da saudosa portelense Tia Doca. Ele comanda o Centro Cultural Tia Doca desde que ela faleceu, há três anos, vítima de um enfarte fulminante.
— Hoje me sinto herdeiro do samba com orgulho.
 

Comentários