Porandubas políticas










Uma infelicidade 
Em Caruaru, PE, o Coronel João Guilherme, senador estadual e chefe político, comprou a um matuto um cavalo de sela. Cavalo bonito, mas com a pálpebra caída. Cego de uma das vistas. Ao descobrir o logro, o Coronel ficou indignado. Fez vir à sua presença o espertalhão. Ameaçou-o de cadeia.
- Você teve a coragem de me vender um cavalo cego dum olho! Isso é uma falta de seriedade! Você fez negócio com um homem e não com um tratante da sua laia! Por que você não teve a franqueza de me dizer que o cavalo tinha esse defeito?
- Mas, seu Coronéu, Vamincê me desculpe que eu lhe diga: o cavalo que eu lhe vendi não tem defeito, não!
- Não tem defeito? Não tem defeito  Então, você acha que um cavalo cego dum olho não tem defeito?
- Seu Coronéu, Vamincê me desculpe, mas eu acho que não tem não! Ser cego não é DEFEITO: ser cego é uma INFELICIDADE...
(Historinha de Leonardo Mota em Sertão Alegre)

O estilo Dilma 
A presidente Dilma começa a imprimir marca forte ao governo. E que marca é esta? Gestão. Por todos os lados, os conceitos-chave são: controle, monitoramento, cobrança. Um olho aqui, outro ali. Para enfrentar distúrbios gerados pelo agravamento da crise mundial, a presidente determina corte em receitas extras. E assim o país economiza R$ 10 bilhões. Esta semana, Dilma recomeça o périplo pelos Estados. Não o faz no estilo Lula, com subidas aos palanques e discursos exacerbados, mas com palavras medidas. O esforço para escapar do corredor de pressões e contrapressões do Congresso é visível. Não quer ficar refém das circunstâncias. Conta com a ajuda do vice, Michel Temer. A fixação de um estilo próprio vai sendo desenvolvida de maneira natural, de forma a não amedrontar parceiros e correligionários, saudosos dos tempos fartos de Lula.

Aécio vai à rua 
Aécio Neves abre um segundo ciclo em sua vida senatorial. Digamos que o primeiro tenha se fixado na lição de casa, no estudo das ideias correntes, dos grupos que se formam ali nos corredores do Salão Azul do Senado. Aécio chegou a fazer dois discursos fortes. Um deles teve como foco uma análise do governo Dilma. Mas não tem usado a contundência de que José Serra tem se valido para bater no governo. Aécio mede as coisas no seu tempo. Pensar em ser uma espécie de candidato curinga, capaz de atrair gregos e troianos, ou seja, a base oposicionista e parte da base aliada. Sonha em fazer aliança com PMDB e PSB, onde tem muitos amigos. O novo ciclo de Aécio será dedicado a contatos, articulação, viagens pelos Estados e mais presença nos polos decisórios e midiáticos do país, a partir de São Paulo.

A lei da liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. (Al Ries& Jack Trout)

José Serra 
José Serra está consciente do que lhe resta como opção na esfera política : a vaga de candidato das oposições em 2014 para a presidência da República. Serra afasta a ideia de se candidatar a prefeito. Queria, isso sim, que Aloysio Nunes Ferreira fosse o candidato. Mas este refuga. Está feliz e tranquilo no Congresso. Serra é um político racional que adora fazer contas. Teme sua alta rejeição como candidato à prefeitura. Bem perto da rejeição da Marta, por volta dos 30%. Como candidato a prefeito, chegou a registrar, em cartório, um documento dando conta de seu compromisso de continuar até o final do mandato. Foi eleito prefeito e deixou o cargo no meio para se candidatar ao governo. Receia que todas essas histórias venham à tona. Sob essa moldura, Serra divisa os horizontes de 2014. Um rio nunca corre duas vezes no mesmo lugar. Daqui a três nos, o Brasil se banhará em outras águas. Aperta-se, a cada dia, o beco de Serra na vida política. Em contraponto, alarga-se a via de Aécio.

Sopro de renovação 
Os ventos da política sopram na direção dos horizontes da renovação. Para onde se olhe, aparece uma figura nova, um perfil com as vestes do novo. São Paulo deverá ser o espelho mais largo dessa tendência. Fundamento da alternativa : água transbordando no copo da mesmice ; saturação dos velhos discursos ; rejeição de velhas figuras ; obsolescência dos discursos bolorentos ; oxigenação de pulmões intoxicados pela fumaça do passado. Teremos, em 2012, um amplo espectro de perfis novos.

PSDB versus PT 
Luiz Inácio Lula da Silva é o arquiteto-mor da construção petista nos amplos espaços de 2012 com vista para os horizontes de 2014. Lula montou um Instituto em São Paulo para legitimar as operações políticas que aprecia desenvolver. Uma boa grana, ele já acumulou, fruto de palestras pagas a peso de ouro. E continuará a locupletar o cofre. Mas a atenção central se volta para o pleito de 2012. O ex-presidente quer fazer a maior baciada de prefeitos da história do PT, uma meta em torno de 2 mil. Hoje, quem tem mais prefeito é o PMDB, com 1.200. Lula imagina que, tendo a maior fatia de prefeitos nas bordas do território, poderá vir de lá com tudo em 2014. Claro, Dilma ou ele.

Não há coisa tão segura como a humildade nem mais arriscada do que a soberba. (Padre Manuel Bernardes)

Dilma ou Lula? 
Ora, a presidente é a candidata natural em 2014. Mas será uma personagem rodeada de circunstâncias, dentre elas, a configuração da nossa economia ante a moldura da crise intermitente que se projeta nos quadrantes do planeta. A economia é a locomotiva que puxará o trem da política. Significando: maior ou menor conforto social; mais vazios ou mais cheios os bolsos das classes médias; maior ou menor PNBF, Produto Nacional Bruto da Felicidade; maior ou menor satisfação com os serviços públicos, particularmente nos mais de 2 mil municípios acima de 50 mil e até 100 mil habitantes; maior ou menor segurança nas metrópoles. Qualquer que seja o candidato, essa paisagem é que medirá a pressão e o tamanho das urnas dos candidatos.

Lula na água corrente 
Já lembrei anteriormente: o rio nunca corre duas vezes no mesmo lugar. As águas estão sempre se renovando. Uma pessoa nunca atravessa um rio duas vezes no mesmo lugar. Lula pensa que o Brasil de 2014 será o mesmo de 2006 ou de 2002. Ele imagina que tendo o mesmo discurso, desenvolvendo no palco o mesmo papel, fazendo a mesma performance, chegará novamente ao mesmo altar da glorificação. Improvável. Claro, em política, tudo pode acontecer, mesmo o imponderável cedendo temporariamente lugar ao previsível.

No plural 
Eneas da Cruz Nunes foi nomeado funcionário público. Saiu no Diário Oficial "Ênea". Correu ao governador do Rio de Janeiro: "governador, quero que o jornal conserte. Todo mundo sabe que meu nome é no plural".

Nêumanne e Lula 
José Nêumanne Pinto lançou o mais contundente livro sobre Luiz Inácio Lula da Silva: "O Que Sei de Lula". Trata-se de um precioso relato sobre o mito e o homem. Ou a escalada de um perfil conservador que, por qualidades e méritos, conseguiu driblar a massa dos atores políticos para aparecer como, diz o autor, no mais competente e genial político brasileiro de todos os tempos. A obra é arrojada. Atém-se aos fatos. Que viu, ouviu de fonte direta, ou resgata de fontes indiretas. Emerge o perfil de Lula, emoldurado por um jogo de cores que assombra apenas os desavisados: o conservador/reacionário; o oportunista que se aproveita da teoria da mais-valia para auferir benefícios, engabelando companheiro; o comunicador e o conciliador, que sempre tirava proveito de abordagens divergentes que ele mesmo incentivava; o governante que "comprou" a governabilidade (o mensalão ? Coisa corriqueira do Caixa 2); enfim, o homem que aprendeu com as derrotas e utilizou o poder até o limite.

Uma obra de peso 
Já se produziram muitos livros sobre Lula, alguns citados por Nêumanne. Mas a obra produzida pela verve do poeta, escritor e, sobretudo, pela aguda percepção do acurado e inquieto repórter é, seguramente, a mais abrangente. E densa. Pela teia de fios e relações que estabelece em torno do retirante "filho do Brasil dos pais canalhas, que sobreviveu por obra e graça das mães heroínas, quase mártires"; por mostrar que Lula é "filho da mentalidade brasileira que produziu JK: a pressa que levou à imperfeição, a opção pelo ocasional em detrimento do permanente, do que pode vir para ficar, a submissão ao charme, ao encanto pessoal..."; por saber abrir canais proveitosos com os "300 picaretas" da Câmara ; por ser "muito maior que o PT, este é que não sabia"; e pela insensibilidade demonstrada ante os assassinatos de Celso Daniel e Toninho do PT, envolvidos em tramas sórdidas, conforme se depreende do pungente relato ouvido de familiares dos ex-prefeitos de Santo André e Campinas.

"Nunca antes ..." 
De fato a fato, na esteira de uma narrativa plena de nomes, datas e enredos, Nêumanne entra nas profundezas da administração petista para concluir que sua prática "tem sido a reafirmação de tudo o que de nobre e sórdido a política profissional tem produzido no Brasil desde os tempos da Colônia até hoje". Moldura convenientemente pintada com a maior falácia de todos os tempos do marketing político: "nunca na história desse país".

Baixinho, argila segredou ao oleiro que a trabalhava: "não esqueças que já fui como tu... não me maltrates". (Omar Kháyyán)

PSDB versus PT? 
Há quem aposte que o clima eleitoral de 2012 será medido pela "eterna" polarização entre PSDB e PT. Em algumas praças, isso até pode ocorrer. São Paulo, capital, é, por excelência, o espaço dessa renhida luta. Mas sinais de esgotamento dessa possibilidade já aparecem. Inclusive, por meio de iniciativas suprapartidárias, como a integração de ações federais e estaduais, como é o caso do Brasil sem Miséria, lançado no Palácio dos Bandeirantes, com a presença da presidente Dilma, governador Geraldo Alckmin e Fernando Henrique.

Cronograma da copa 
Discurso do governo sob foco da lupa: 9 estádios para a Copa de 2014 ficarão prontos até dezembro de 2012; as obras nos aeroportos serão concluídas em 2013; e 6 aeroportos já começaram as obras de ampliação/modernização. E 5 estão em fase de licitação. Vamos acompanhar o cronograma.

Chove por aqui 
Agamenon Magalhães, interventor de Pernambuco. A seca assolava o Nordeste. De repente, começou a chover na região do São Francisco. Um prefeito aproveitou para bajular: "chove copiosamente na região graças à profícua administração de V.Excia". Agamenon não teve dúvidas. Demitiu o alcaide.

Lupa da FIESP 
Aliás, a FIESP planeja formar um amplo Observatório sobre a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Com destaque para cronogramas de obras, preparação de sistemas de segurança, avaliação de pontos fortes e pontos fracos em cada cidade que sediará os eventos.

Pé de pezão na estrada 
O mais certeiro nome para a candidatura ao governo, em 2014, é o vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. Na verdade, é o executor dos programas. Sérgio Cabral é o Relações Públicas/Embaixador do Governo. Pezão vai ao campo, controla, fiscaliza, cobra, toma providências. Cabral, vez ou outra, entre suas inúmeras viagens internacionais, acompanha Pezão.

Eu e Deus 
O "causo" ocorreu em Conchas/SP. Era a audiência de um processo - requerimento do Benefício Assistencial ao Idoso para um senhor alto, velho, magro, negro, humilde e muito simpático, tipo folclórico da cidade. Antes da audiência, o advogado lembrou ao seu cliente para afirmar perante o juiz morar sozinho e não ter renda para manter a subsistência. Nisso residia o sucesso da causa. Na audiência, veio a pergunta:
- O senhor mora sozinho?
- Não! respondeu ele (o advogado sentiu que a coisa ia degringolar). 
- Hum, não? Então, com quem o senhor mora?
- Eu e Deus, respondeu o matreiro velhinho.
O advogado tomou um baita susto. Mas a causa foi ganha. O juiz considerou procedente ação. 
(Historinha enviada por Éder Caram e contada pelo pai dele)

Conselho à presidente Dilma 
Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos tucanos. Hoje, sua atenção se volta à presidente Dilma : 
O governo carece de uma ampla pauta positiva, após a bateria de denúncias, escândalos e trocas de ministros. A sociedade clama por melhoria de serviços sociais, educação mais qualificada, sistema de saúde aparelhado para atender as demandas, segurança pública de maior envergadura para atenuar as ondas de violência e criminalidade. Nessa direção, algumas sugestões parecem óbvias : 
1. Convocar as áreas responsáveis pelas ações e programas nas frentes sociais e cobrar um amplo conjunto de ações com vistas às demandas mais imediatas ;
2. O governo pode se amparar em sistemas de mutirões para sanar as dificuldades nas estruturas de atendimento social, a partir do sistema de saúde ;
3. Abrir pontes largas com a sociedade organizada, convocando entidades representativas de grupos organizados para ouvir demandas e reclamações, acolher sugestões e tomar as providências necessárias e imediatas. Exemplo : posicionar o governo face aos problemas enfrentados nas áreas dos Planos de Saúde e demandas dos grupos profissionais ?

____________
 A coluna Porandubas Políticas, integrante do site Migalhas (www.migalhas.com.br), é assinada pelo respeitado jornalista Gaudêncio Torquato, e atualizada semanalmente com as mais exclusivas informações do cenário político nacional.

Comentários