Coronel Erir Ribeiro Costa Filho: "O fio desencapado"

O novo comandante-geral da PM no Rio



Por Sidney Rezende

Vem aí uma faxina na Polícia Militar do Rio de Janeiro. O novo comandante geral da PM, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, é um "fio desencapado", segundo me disse um militar influente na história da segurança pública do estado.
O coronel Erir não é de trazer equipe de fora. Ele trabalha com o que se tem disponível e por isso espera muito do Chefe do Estado Maior Operacional. Ele vai cobrar do Bope e vai cobrar dos militares dos batalhões de choque, onde já foi comandante.
É o que podemos chamar de um policial "operacional" e não do "núcleo de inteligência". O seu antecessor, o coronel Mário Sérgio Duarte era do grupo mais intelectual da polícia. Erir fala errado, é meio cascudo e não gosta que as coisas funcionem diferentes do que planejou.
Ele já mandou a letra para os subordinados na entrevista coletiva: "eles já têm ciência que serão sempre vigiados. E quando conhecerem o nome do corregedor novo vai entender mais ainda o que queremos na PM".
Outra coisa, o coronel Erir já comandou no 2o. Batalhão de Policiamento, na zona oeste, e conhece bem como funcionam as milícias. Já atuou no 4o. Batalhão, da Mangueira, e conhece bem como funciona o tráfico de drogas nas favelas.
E conhece também o que significa bater de frente com políticos. Quando o deputado Chiquinho da Mangueira pediu para o Batalhão da Mangueira "pegasse mais leve", ele negou-se a rezar por esta cartilha. E foi demitido em 2003 por se negar a se submeter a algo diferente dos seus "princípios".
Vamos ver se o "fio desencapado" é mesmo o melhor para o que o Rio precisa hoje.

Comentários