Em São Gonçalo, Conselho Comunitário de Segurança pede comandante ficha limpa

Tenente-coronel Cláudio Oliveira tinha pelo menos sete anotações criminais
Divulgação / Polícia Militar
Coronel Mário Sérgio
Comandante-geral da PM pediu demissão do cargo


Evelyn Moraes

O CCS (Conselho Comunitário de Segurança de São Gonçalo), na região metropolitana, onde o tenente-coronel Cláudio Oliveira comandava o batalhão na época da morte da juíza Patrícia Acioli, havia decidido sugerir à Secretaria de Estado de Segurança Pública que não escolhesse oficiais com ficha suja para comandar unidades das PM. Oliveira está preso suspeito de ser o mentor do crime. 

Segundo o advogado Carlos Alberto de Paula, diretor do CCS, é inaceitável nomear um oficial que já tenha anotação criminal para estar à frente de um batalhão.
- A polícia tem que rever o critério de escolha de comandantes. Se aquele policial de patente superior responde a algum tipo de inquérito, como é o caso do ex-comandante do Batalhão de São Gonçalo (7º BPM), como ele seria indicado para comandar um batalhão de uma cidade com mais de 2 milhões de habitantes? 
O advogado criticou a atuação da PM e disse que a população precisa de uma polícia cidadã.

Comentários