Médicos de 24 Estados suspendem hoje atendimento a planos de saúde


Profissionais protestam contra baixos honorários pagos pelas operadoras de saúde; serviço de urgência será mantido
LÍGIA FORMENTI / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo
Médicos de 24 Estados suspendem hoje o atendimento a planos de saúde em protesto contra os baixos honorários. A paralisação de 24 horas deve atingir o atendimento em consultórios, ambulatórios e hospitais. Serviços de urgência serão mantidos.
O movimento é organizado por Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam). Em 9 Estados, médicos suspenderão o atendimento a todas as operadoras. Na Bahia, a paralisação será de uma semana.
O presidente da Fenam, Cid Carvalhaes, afirma que 120 mil profissionais prestam serviços a planos de saúde. "Mas não temos como dizer quantos estarão envolvidos na manifestação."


O protesto marcado para hoje é um desdobramento da primeira paralisação da categoria, em abril. "Como a maior parte das operadoras não respondeu às nossas reivindicações, resolvemos fazer essa nova mobilização", disse o vice-presidente do CFM, Aloísio Tibiriçá.
Médicos reivindicam aumento da consulta para R$ 60 - hoje, a média é de R$ 40. O movimento pede o fim da intervenção de operadoras na atuação de médicos, como cotas para pedidos de exames e a adoção de critérios e periodicidade para reajuste.
Em nota, a ANS afirmou que operadoras devem providenciar para que consultas e exames de pacientes sejam marcados.
Proposta. A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que representa as 15 maiores operadoras, divulgou ontem novos critérios adotados por suas afiliadas para remuneração dos médicos. José Cechin, diretor da entidade, explica que os 2 mil procedimentos médicos do rol da ANS foram divididos em cem grupos. "Cada um conta com cerca de 20 procedimentos e todos serão remunerados de forma igual. Isso facilita, pois em vez de o médico negociar o valor de 2 mil itens com as operadorasm vai negociar só cem."
A FenaSaúde diz que a reproposta foi formalizada na ANS e aceita pelas entidades médicas. Mas representantes do CFM e da Fenam disseram ter sido surpreendidos. "Não houve discussão ou aprovação. Acho capcioso divulgarem isso na véspera da paralisação", diz Carvalhaes. / COLABOROU KARINA TOLEDO

Comentários