Após reunião, bancários mantêm protestos nesta sexta


greve dos bancários

A expectativa é que as manifestações ocorram nas principais capitais do país

Parados há 17 dias, os bancários se reuniram com os patrões na noite desta quinta-feira (13) para ouvir uma nova proposta, mas não houve acordo. A reunião será retomada às 10h da manhã desta sexta-feira (14). Portanto, a paralisação ingressará em seu 18º dia.
Para amanhã, também, a categoria manteve a programação de protestos em todo o país. O Contraf (Comando Nacional dos Bancários) anunciou na terça-feira (11) que iria fazer manifestações contra a lucratividade das instituições financeiras nas principais capitais brasileiras.


De acordo com os últimos dados do movimento, somente na região metropolitana de São Paulo, quase 36 mil bancários continuavam de braços cruzados. Mais de 758 locais de trabalho permaneceram fechados, informou o Sindicato dos Bancários de SP, Osasco e região.
A paralisação já é a maior nos últimos 20 anos, superando o pico de 2010, quando os bancários pararam 8.278 agências em todo país.

Os trabalhadores entraram em greve no dia 27 de setembro, depois de rejeitar a proposta de reajuste de 8% feita pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) na quinta rodada de negociações, que significa apenas 0,56% de aumento real.
Atendimento parcial
Apesar disso, a reportagem do R7 encontrou várias agências de bancos privados funcionando normalmente e sem fazer qualquer menção à greve. 
Todas elas, inclusive as dos bancos públicos que aderiram à parada, mantêm caixas eletrônicos funcionando e atendimento telefônico.

A compensação bancária ocorre normalmente e, em alguns casos, dá até para os clientes entrarem nas agências para pagar contas e sacar dinheiro na boca do caixa.
Reivindicações
A categoria reivindica reajuste de 12,8% (5% de aumento real mais a inflação do período), valorização do piso, aumento da PLR (Participação nos Lucros e Resultados), mais contratações, fim da rotatividade, combate ao assédio moral, fim das metas consideradas abusivas, mais segurança nas agências, igualdade de oportunidades e melhoria do atendimento aos clientes.
Na última sexta-feira (7), a Fenaban disse, por meio de nota, que “fez duas propostas completas visando a acordo com os bancários e colocou-se à disposição do movimento sindical para tratar de eventuais acertos que fossem necessários. Portanto, não há razão para que a federação apresente nova contraproposta como querem os sindicalistas. O que se espera, agora, é que sejam discutidos os ajustes que levem ao acordo”. 

Comentários