Médicos entram na Justiça contra proibição da venda de emagrecedores


Sibutramina: droga atua diminuindo o apetite
Anvisa baniu medicamentos derivados de anfetamina no Brasil
O CFM (Conselho Federal de Medicina) entrou na Justiça nesta quinta-feira (13), com uma ação contra a decisão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de proibir a venda de algumas substâncias usadas no tratamento da obesidade (anfepramona, femproporex e mazindol).
O CFM defende o uso dessas fórmulas como auxiliares no tratamento de pacientes e pede o fortalecimento de mecanismos de controle de seu uso, sob supervisão de médico qualificado na prescrição e na supervisão de cada tratamento.
Na argumentação do CFM consta que o uso indevido de medicamentos é uma questão que está ligada ao controle e à fiscalização de sua prescrição, “não diz respeito especificamente aos medicamentos anorexígenos em si”.


Decisão
Com a decisão da Anvisa, os remédios com anfetamina não podem mais ser prescritos pelos médicos, nem fabricados no país, e os atuais registros serão cancelados. As farmácias e drogarias terão dois meses para retirá-los das prateleiras.
Sociedades médicas brasileiras discordaram da decisão da Anvisa e há a intenção de ir à Justiça contra a medida.
No dia 4 deste mês, a Anvisa também proibiu o mazindol, inibidor de apetite que age diferente dos outros dois remédios. Com isso, o CFM anunciou que entraria na Justiça contra a proibição de remédios que atuam no sistema nervoso central e são derivados de anfetamina (femproporex e dietilpropiona).

Comentários