Bolsonaro questiona sexualidade de Dilma


Se o seu negócio é amor com homossexual, assuma’, disse ele
Polêmica é marca registrada do deputado federal Jair Bolsonaro (PP), famoso por declarações homofóbicas. Ele voltou a questionar, na tribuna da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), a distribuição de kits sobre diversidade sexual em escolas públicas e subiu o tom sobre a presidenta: “Dilma Rousseff, pare de mentir! Se gosta de homossexual, assuma! Se o seu negócio é amor com homossexual, assuma! Mas não deixe que essa covardia entre nas escolas do 1º grau (atual Ensino Fundamental)”.
POR DAMARIS GIULIANA


O deputado Alfredo Sirkis (PV) discursou na sequência, classificando as declarações como um “discurso de ódio”, que representou quebra de decoro parlamentar. “Opção sexual de qualquer ser humano, deputado, é uma questão de foro íntimo desse mesmo ser”, argumentou.

Para O DIA, Bolsonaro afirmou não ter problemas com Dilma, mas quer saber por que o ministério da Educação e a Secretaria de Direitos Humanos estão distribuindo material vetado por Dilma em maio. Segundo o deputado, “falta firmeza à presidenta”.

“Não me interessa a sexualidade dela. Quero que ela se exploda”, reagiu. “Vou afinar para a Dilma agora por que estão fazendo pressão?”, questionou. Bolsonaro alegou estar defendendo valores familiares. “Bota o material no 3º grau (nível universitário) que eles vão rir, mas no 1º grau (Ensino Fundamental), não.”

Mesmo prevendo a consequência, o deputado não recuou. “Vão mover mais um processo de cassação contra mim. Já moveram vários. Um dia vão me cassar porque isso é jogo de voto. Boiola também vota, né?”, provocou. 

O assunto entrou na lista dos mais comentados do Brasil no Twitter. Em seu perfil, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) —, que protagonizou cena parecida durante campanha eleitoral, ao questionar a sexualidade do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD) —, comentou o caso. “Bolsonaro pode ter cometido crime de injúria pela afirmação que fez sobre a presidenta Dilma.” O Planalto não se manifestou.

 Assista ao discurso.

Comentários