Em Campos, aumenta vazamento de óleo

A estimativa inicial é que aproximadamente 60 barris teriam vazado, segundo as informações da petroleira. neste sábado o vazamento estava entre 400 e 650 barris
Jeferson Ribeiro
 Plataforma de petróleo na bacia de Campos
O vazamento foi revelado na quinta-feira, e a Chevron declarou que estava relacionado a uma falha natural na superfície do fundo do mar
O vazamento de óleo na área do campo de Frade, na Bacia de Campos, aumentou segundo estimativa divulgada neste sábado pela Chevron Brasil, empresa responsável pela exploração de petróleo no local.
Na sexta, a estimativa inicial é que aproximadamente 60 barris teriam vazado de uma fenda próximo ao poço, segundo as informações da petroleira, que neste sábado informou que o vazamento estava entre 400 e 650 barris, num volume total que poderia chegar a 104 metros cúbicos.

O vazamento foi revelado na quinta-feira, e a Chevron declarou que estava relacionado a uma falha natural na superfície do fundo do mar, e não à produção no campo de Frade, no litoral fluminense.
Mesmo assim, no comunicado divulgado neste sábado, a empresa reafirmou que suspendeu temporariamente as atividades de perfuração no campo de Frade e fechou o poço que estava sendo perfurado nas proximidades do vazamento.
Na sexta, a presidente Dilma Rousseff disse que o governo investigaria os motivos do vazamento. O Ministério de Minas e Energia, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e a Marinha estão comandando as investigações.[nN1E7AA1XNœ Dilma determinou "atenção redobrada e uma rigorosa apuração das causas do acidente, bem como de suas responsabilidades. Independentemente do tamanho do vazamento, o fato deve ser rigorosamente apurado".
O envolvimento da presidente na situação indica que o Brasil está levando a situação de vazamentos de óleo a sério, uma vez que conduz um amplo projeto petrolífero em águas profundas.

Comentários

Anônimo disse…
O governo deveria fiscalizar melhor a condição da água de descarte que é jogada ao mar, após o refino do petróleo. Várias aeronaves, todos os dias constatam e informam manchas imensas provenientes de ploataformas produtoras, mas sempre recebem a mesma resposta: É ÁGUA DE DESCARTE, E SEMPRE DIZEM: É PROVENIENTE DE RODUTO QUÍMICO UTILIZADO NA SEPARAÇÃO DO ÓLEO. O TOG NEM SEMPRE SEGUE OS VALORES PERMITIDOS PELA MARINHA E O IBAMA. MAS MESMO ASSIM NADA É FEITO! REBOCADORES DE PEQUENO PORTE SÃO UTILIZADOS PARA DILUIR AS MANCHAS OU ESPALHA´-LAS.