“NEM da ROCINHA” – Punição ou Proteção?


Matéria enviada por leitor, que por razões óbvias pediu sigilo sobre sua identidade.
Algo INACREDITÁVEL, MISTERIOSO, e SEM EXPLICAÇÃO …

1. Os três advogados PRESOS junto com o traficante Nem: 
André Luiz Soares Cruz (disse ser cônsul honorário do Congo),  Demóstenes Armando Dantas Cruz (disse ser funcionário do consulado), porém, além de advogado do traficante “Nem da Rocinha” ele é também Diretor do Conpej ,  e Luiz Carlos Cavalcante Azenha.

2. Os advogados André Luiz Soares Cruz e  Demóstenes Armando Dantas Cruz  são  muito próximos do Dr. Jovenal da Silva Alcântara Assessor Especial do Governador Sérgio Cabral. Os dois advogados são muito influentes e poderosos.

3.  O CONPEJ (Conselho Nacional de Peritos Judiciais) realizou no dia 18 de maio a sua já tradicional cerimônia de entrega dos certificados aos alunos que concluíram os cursos Periciais nos últimos meses, tanto na modalidade “Presencial” como EaD, com a presença de diversas autoridades e personalidades do executivo e do judiciário. Estiveram também presentes a mesa como convidados especiais: o Dr. Demonstenes Cruz Advogado e Diretor do Conpej, e Dr. André Luiz Soares Cruz Advogado.


Fotos da cerimônia de entrega dos certificados:

Na primeira seta (esquerda) vermelha o advogado Dr. Demóstenes Cruz, e na segunda seta (direita) o Dr. André Luiz Soares o “cônsul”





4. Um delegado da Polícia Civil “aparece do nada” quando o traficante Nem da Favela da Rocinha ia ser preso, e tenta ficar com a ocorrência, e tirar o carro sem que o porta-malas fosse aberto, o que só não conseguiu por que PM honestos furaram o pneu do veículo, e a Polícia Federal chegou a tempo.

Esse tal “delegado” foi chamado pelos Doutores do “crime”, os advogados que davam fuga ao bandido Nem, e já tinham tentado subornar os PM com um milhão de reais.

O tal “delegado” é investigado, e a “cúpula” da Polícia Civil diz que não houve nada de errado, já que a “verdade” era que o traficante Nem estaria negociando a sua rendição. Mas, para ficar mais confuso, o traficante Nem ia fingir que estava sendo preso, quando na verdade estaria se entregando para evitar supostas retaliações, isso tudo é alegado pela “cúpula” da Polícia Civil, conforme a matéria publicada em vários jornais do Rio de Janeiro.


Essa “rendição” do Nem era tão secreta, mas tão secreta, que ninguém sabia, nem a Polícia Militar e nem a Polícia Federal. Aliás, era tão secreta, mas tão secreta, que nem o próprio Secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame sabia.
Mas Beltrame depois de alertado pela “cúpula” da Polícia Civil mudou de idéia, e passou a dizer que sabia, e aí? Só um detalhe, o traficante Nem disse várias vezes a Polícia Federal que NUNCA negociou a sua rendição, e que estava fugindo.

5. Algo de podre no ar…

- O que há escondido por trás da prisão do traficante Nem? Quem são as pessoas, os verdadeiros “tubarões”, que protegiam o bandido?

- Como uma pessoa, no caso o advogado, Dr. André Luiz Soares Cruz, se passa por Cônsul, comete crime de corrupção ativa (pena de 2 a 12 anos de cadeia) tentando subornar policiais militares com até R$ 1 milhão para ajudar um traficante a fugir, isso sem considerar a possibilidade do crime de associação ao tráfico, e não fica preso?
- Quem realmente é esse advogado, Dr. André Luiz Soares Cruz, e quem são seus amigos?

- Muito estranha essa “historinha” da “cúpula” da Polícia Civil para tentar justificar a presença desse tal “delegado”, eu particularmente prefiro acreditar em duendes, fadas, e coelhinho da páscoa.


- Fica a dúvida no ar, o que há por trás da prisão do Nem?

- Existem fatos que ainda não foram esclarecidos, por exemplo, essa historinha desse “delegado”.


- O traficante Nem revelou a Polícia Federal que “policiais” receberiam propina de R$ 500 mil reais por mês. Quem são esses policiais?

Ahhh, se o Brasil fosse um país sério?

Complicado…


A verdade é: “O Nem hoje é um arquivo vivo, e corre sério risco de ser “suicidado”, além do que tem muita, mas muita gente mesmo sem dormir no Rio desde que o bandido foi preso.”
Att. R.O.
BMb – Creio que é óbvio que houve um acordo entre o governo e o traficante. Quem se lembra da prisão de Fernandinho Beira Mar? Ele também era “temido” como arquivo. Em minha opinião, a prisão de ambos foi um ato de proteção e não de punição – e Nem não corre o menor risco de ser “suicidado” – pelo contrário, ele é muito mais “lucrativo” vivo, para manter o equilíbrio de “forças” dentro do próprio governo. Como disse um aviãozinho do tráfico (foi morto logo depois) no documentário “Meninos do Tráfico” – “Se acabar com o tráfico os poliça vão perder os emprego”(sic)
Beth Michel

Comentários