Nem: 'O crack destrói as pessoas, a famílias e a comunidade inteira'


Traficante confirma que dava propina a policiais corruptos
Nem, chefe do tráfico de drogas da Rocinha, se diz flamenguista, fã do ex-presidente Lula e considera José Mariano Beltrame, secretário de Segurança Pública do Rio, "um dos caras mais inteligentes" que ele já viu.
Em entrevista a jornalista Ruth de Aquino, da revista Época, o traficante, até então o bandido mais procurado pela polícia do Rio de Janeiro, faz uma análise das Unidades de Polícia Pacificadoras instaladas nas comunidades cariocas.

"O Rio precisava de um projeto assim. A sociedade tem razão em não suportar bandidos descendo armados do morro para assaltar no asfalto e depois voltar. Aqui na Rocinha não tem roubo de carro, ninguém rouba nada, às vezes uma moto ou outra. Não gosto de ver bandido com um monte de arma pendurada, fantasiado. A UPP é um projeto excelente, mas tem problemas. Imagina os policiais mal remunerados, mesmo os novos, controlando todos os becos de uma favela. Quantos não vão aceitar R$ 100 para ignorar a boca de fumo?"

Antônio Francisco Bonfim Lopes enaltece também o ex-presidente Lula e conta que ex-criminosos da favela hoje trabalham na construção civil graças ao PAC instalado na Rocinha.

"Adoro o Lula. Ele foi quem combateu o crime com mais sucesso. Por causa do PAC da Rocinha. Cinquenta dos meus homens saíram do tráfico para trabalhar nas obras. Sabe quantos voltaram para o crime? Nenhum. Porque viram que tinham trabalho e futuro na construção civil."

Na entrevista, Nem conta ainda que não usa drogas e que só bebe álcool. Recrimina o uso do crack.

“Não negocio crack e proíbo trazer crack para a Rocinha. Porque isso destrói as pessoas, as famílias e a comunidade inteira. Conheço gente que usa cocaína há 30 anos e que funciona. Mas com o crack as pessoas assaltam e roubam tudo na frente.”

O traficante, preso na última quarta-feira, confirma que paga propina a policiais corruptos. “Pago muito por mês a policiais. Mas tenho mais policiais amigos do que policiais a quem eu pago. Eles sabem que eu digo: nada de atirar em policial que entra na favela. São todos pais de família, vêm para cá mandados, vão levar um tiro sem mais nem menos?”

Sobre religião, Nem disse que tem o hábito de ler a Bíblia. E garante: “Não vou para o inferno".

A entrevista foi feita com na Favela da Rocinha, no último dia 4.

Comentários