Abrir loja de R$ 1,99 sai a partir de R$ 40 mil


Valor corresponde apenas à compra das mercadorias do estoque inicial
Camila de Oliveira
Popular, acessível e atraente a todos os tipos de clientela, as lojas de R$ 1,99 podem ser uma excelente opção para quem sonha com o próprio negócio. Com um investimento inicial de R$ 40 mil, é possível entrar no setor que movimenta cerca de R$ 8 bilhões por ano e emprega mais de 400 mil pessoas. No quadro abaixo, acompanhe todas as orientações dos especialistas para ter sucesso no novo negócio.


O valor é referente apenas ao estoque inicial de uma loja pequena, de 50 m² a 60 m² de área destinada à circulação dos clientes. O investimento de R$ 40 mil também não considera despesas com o administrativo, infraestrutura e equipe, diz Eduardo Todres, diretor da Feira R$ 1 a R$ 99 e empresário do setor.
Ele afirma que, apesar do nome R$ 1,99 ter continuado “quase como uma grife”, esses estabelecimentos viraram lojas de conveniência, voltados principalmente às utilidades domésticas – é ali que a dona de casa encontra desde o descascador de legumes ao vaso mais bonito da sua sala.
Aberta há 11 anos, a primeira loja do país com produtos a menos de R$ 2 foi inaugurada na cidade de Camboriú, em Santa Catarina. De lá para cá, o crescimento do setor foi de 60% no país e hoje os negócios deste tipo estão espalhados por todo o Brasil, sendo a maior concentração no Sul e Sudeste.
Fernando Utramari, 28 anos, é um dos proprietários do ramo. Ele deixou o emprego na Câmara Municipal de Suzano, no interior de São Paulo, onde ganhava R$ 1.600 por mês para abrir a sua loja há seis anos. Hoje, ele se prepara para abrir a segunda filial e diz faturar, em média, R$ 7.000 líquidos.
- Vi uma oportunidade para ter a minha própria empresa e, apesar de ter que trabalhar muito mais, ganho mais também.
Investimento
Os R$ 60 mil iniciais devem ser investidos na compra de pelo menos 600 itens diferentes, sendo 60% voltados às utilidades domésticas como produtos para casa – vidros, plásticos e todo tipo de utensílios para cozinha, principalmente. 

Brinquedos, acessórios, ferramentas, objetos de decoração e produtos de época (Natal, Festa Junina, Dia das Crianças, volta às aulas) devem completar o estoque.

É importante pensar em reposição neste tipo de negócio e não fazer um estoque muito grande logo de início, orienta Eduardo Todres. O proprietário só conhecerá o perfil dos seus clientes depois de meses ou mais.
- Nem sempre um produto que vende bem em uma região é parâmetro para outra. O lucro nessas lojas é por quantidade, devido aos preços baixos. O segredo está em girar muito rápido e vender volumes grandes de cada item oferecido.
Um bom ponto é um dos segredos do negócio. Nada de pensar em shopping – lojas de R$ 1,99 devem ser na rua, de preferência em um local onde passa muita gente em frente sempre. E nada de aceitar cartão – como os preços são baixos, cada centavo é importante para o lucro final.
Para enxergar o retorno do capital investido na montagem, é preciso esperar um ano, aproximadamente. Esse é o tempo previsto também para conhecer a sobrevivência do negócio.
Perfil do consumidor
Mais de 70% das vendas são para a baixa renda. No entanto, cada vez mais os consumidores das classes mais altas têm procurado as lojas de R$ 1,99 em busca de produtos baratos de qualidade e com design interessante. Objetos de decoração são o grande foco desse público.
Com a criação de quase 5 milhões de empregos com carteira assinada nos últimos dois anos no país, consequentemente, também foram atraídos mais cinco milhões de consumidores para o setor, afirma Todres.
Inauguração
O momento de inauguração também pode definir o sucesso do seu negócio. A melhor data para abrir as portas, segundo os especialistas da área, é em setembro.
Um mês antes do Dia das Crianças é possível começar com calma, aproveitar a data para baixar o estoque de brinquedos e, ainda, faturar com as festas de final de ano, que representam 30% do faturamento anual.
Fornecedores
Informação é essencial para conhecer os melhores fornecedores e negociar cada centavo. A maior parte dos produtos é de importados. Mesmo assim, a alta do dólar não deve comprometer o setor, afirma Todres.
- Enquanto a moeda [norte-americana] permanecer abaixo de R$ 2, a área não terá consequências.
Além do site da Feira R$ 1 a R$ 99, o novo empreendedor deve visitar outras lojas, sondar a concorrência e buscar novidades sempre, já que esse é um comércio que segue a moda atual.

Comentários