Como conseguir o valor máximo da aposentadoria: veja tabela


Benefício alto só para quem trabalhar mais
Especialista aponta como trabalhador pode se aposentar pelo teto salarial previsto no INSS. Mesmo quem paga pouco consegue chegar lá, desde que adie a inatividade
Trabalhadores da iniciativa privada que querem ter um pouco mais de conforto ao se aposentar terão que se manter por mais anos na ativa. Para garantir a tão sonhadaaposentadoria máxima do INSS, R$ 3.691,74, a saída é saber conciliar bem o tempo de contribuição com a idade de pedir o benefício.
Para os especialistas em Previdência, a regra é manter o fator previdenciário maior que o índice 1. Em outras palavras, é necessário ter, pelo menos, 60 anos de idade e 40 de contribuição ao INSS.
 
“Um segurado com 51 anos de idade e 35 de contribuição, por exemplo, teria um fator de 0,818 e se aposentaria com R$ 2.141. Para receber o teto, seriam necessários mais nove anos de contribuição. Logo, ele só poderia parar de trabalhar aos 60”, explica o atuário Newton Conde.
REGRAS DO INSS


Diretor financeiro da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas, Luiz Adalberto da Silva salienta que nem sempre quem contribui pelo teto receberá sobre ele quando se aposentar. “Hoje, o INSS faz uma previsão dos 180 maiores salários de julho de 1994 para cá e aplica 80%. Aquele que contribuiu sempre com o teto pensa que vai se aposentar com o teto, mas não. A lei é de 80%. Para chegar a 100%, ele terá que contribuir mais que a idade prevista”, explica.
A regra também vale para quem contribui sobre um salário mais baixo. De acordo com o atuário Newton Conde, se conjugar longo tempo de trabalho com idade avançada, o trabalhador pode atingir o índice de fator previdenciário correto, que o levará a ganhar o teto previdenciário.
“Se o segurado atingiu 80 anos de idade e 56 de contribuição, tendo uma média salarial de R$ 1 mil, ele consegue se aposentar pelo teto”, calcula o especialista.
FGTS: maiores de 60 podem ter até R$ 100
Trabalhadores com mais de 60 anos de idade poderão assinar o termo de adesão, a qualquer momento, para fazer jus ao crédito de complemento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) relativo aos planos econômicos Verão e Collor 1. A redução da idade do titular, de 70 anos para 60 anos, foi aprovada, ontem, pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado de forma terminativa, ou seja, sem precisar ir a Plenário.
Para sacar a quantia, que não deve ultrapassar os R$ 100, o trabalhador deverá ir até uma agência da Caixa Econômica Federal. A instituição financeira informou que espera ser informada, oficialmente, para se adaptar ao novo modelo de saque.
Reportagem de Aline Salgado e Priscila Belmonte

Comentários