'Deixem-me em paz', pede Havelange para jornalistas


No dia seguinte à confirmação de sua saída do COI, o cartola João Havelange, 95, demonstrou irritação com jornalistas.
"Me deixem em paz", afirmou, ao ser questionado por repórteres sobre sua saída do comitê na abertura do Footecon, maior fórum do futebol brasileiro, realizado no Rio.
No evento, o dirigente foi celebrado por boleiros e políticos, apesar da denúncia de corrupção que o afastou do movimento olímpico. Ele renunciou por temer sanções no caso ISL: a BBC aponta que ele recebeu US$ 1 milhão em propina da empresa.
"Queria agradecer a presença do maior dirigente esportivo que eu conheço. Uma pessoa que sempre trata todos bem. Mais do que um amigo, considero João Havelange um pai", declarou o técnico Carlos Alberto Parreira.
Um dos organizadores do evento, Parreira fez questão de citar o nome do dirigente no discurso.


SÉRGIO RANGEL

Depois, a secretária de Esporte do Estado do Rio, Márcia Lins, festejou o dirigente, que chegou de bengala ao Copacabana Palace, local do seminário.
"Não dá para não falar desta pessoa amada, nosso mentor. João Havelange mudou o futebol do mundo e o transformou no grande levantador de recursos que é hoje", defendeu a secretária.
O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, não celebrou o dirigente no seu discurso, mas disse acreditar que a saída de Havelange não atrapalhará a organização do Mundial de 2014.
O presidente de honra da Fifa ficou no hotel em que é realizado o fórum por cerca de uma hora e não fez um discurso.

Comentários