Em Friburgo, falta transparência nas contas, aponta relatório final da CPI


Os documentos foram levantados para analisar os gastos feitos sem licitação durante o período de calamidade pública.
Os vereadores de Nova Friburgo, que analisaram durante essa sexta-feira o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura os gastos do município após a tragédia de janeiro, disseram que não houve transparência na prestação de contas da verba. Após analisar o relatório, os vereadores irão decidir se abrem uma comissão processante para continuar investigando as contas da prefeitura.
Mais de 40 caixas de documentos compõem o relatório final da CPI, que tem cerca de 200 páginas. Os documentos foram levantados para analisar os gastos feitos sem licitação durante o período de calamidade pública. A leitura foi feita pelo relator da CPI.


Depois da tragédia, Nova Friburgo recebeu R$ 10 milhões do governo federal, dinheiro que deveria ser usado para socorrer as vítimas da chuva e ajudar na recuperação da cidade. Os vereadores também investigam o gasto de R$ 11 milhões repassados pela secretaria estadual de Saúde, e de outros R$ 3 milhões do Fundo SOS Friburgo, uma conta-corrente aberta pela prefeitura que recebeu doações depois da tragédia.
A leitura do relatório foi acompanhada pelo advogado do prefeito afastado, Demerval Barbosa Moreira Neto. A defesa pediu a anulação do processo de investigação, que já dura cinco meses.
do RJ INTER TV 2ª Edição

Comentários