No Rio, polícia prende mais de 220 suspeitos de envolvimento com o o jogo do bicho


Segundo delegado, operação Dedo de Deus não tem data para terminar
Divulgação/Polícia Civil
 dinheiro
Dinheiro estava escondido em forros e paredes falsas, no quintal e até na rede de esgoto de uma mansão na Barra da Tijuca
A Polícia Militar do Rio de Janeiro informou no final da noite de sexta-feira (23), que prendeu 223 suspeitos de envolvimento com o jogo do bicho na capital e no interior do estado. Entre os detidos estão apontadores e ajudantes. Além dos presos, foram 
apreendidos 698 talões, 214 máquinas caça-níqueis e 50 veículos. A PM apreendeu ainda com os apontadores presos, a quantia de R$ 6.765,54.

 De acordo com o corregedor da Polícia Civil, delegado Gilson Emiliano, a operação Dedo de Deus, que começou na semana passada para prender bicheiros e pessoas ligadas à contravenção no Rio, Bahia, Maranhão e Pernambuco, não tem data para terminar. 

Entre os presos da semana passada, estão o ex-prefeito da cidade de Teresópolis, Mário Trincano, apontado como chefe do jogo ilegal na região serrana do Rio, e dois policiais militares da cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

O bicheiro Anísio Abraão David, diretor da Beija-Flor, está foragido. Ele também é investigado como o provável dono dos R$ 3,9 milhões apreendidos na terça-feira em uma mansão na Barra da Tijuca, na zona oeste. O dinheiro estava escondido no esgoto, em uma parece falsa e dentro do vaso sanitário.

Dinheiro estava escondido na casa do tio de Helinho

A fortuna apreendida na última terça-feira (20) estava escondida na mansão do tio do Helinho da Grande Rio. Segundo a polícia, foram apreendidos um total de R$ 3.914.080,00, além de várias joias e 2.900 euros. O dinheiro seria do lucro obtido com o jogo do bicho.
A quantidade de dinheiro era tão grande que os agentes tiveram que usar um carrinho de supermercado. Os policiais foram ao endereço em busca de Helinho, que continua foragido desde a semana passada. Um advogado do bicheiro foi detido e revistado, mas liberado em seguida. Ele teria passado a noite na casa destruindo provas. Documentos rasgados também foram encontrados na rede de esgoto, inclusive um cheque no valor de R$ 2 milhões.
Os policiais chegaram ao dinheiro a partir de informações recebidas pelo Disque-Denúncia na segunda-feira (19).

Polícia apreende 25 carros de luxo 

Ao todo, 25 carros foram apreendidos durante a operação Dedo de Deus. Eles foram transferidos do pátio da Corregedoria Interna da Polícia Civil para um depósito na cidade de Niterói, região metropolitana, na manhã de sábado (17).  Os veículos têm valor estimado de RS 7 milhões.

Comentários