Rio: sem obras e às vésperas das chuvas, favelas continuam em área de risco


Nove comunidades com alto risco de desabamentos aguardam obras de contenção
Mariana Costa
josecarlosChacrinha450
Presidente da associação de moradores, José Carlos aponta para área da Chacrinha onde é comum haver deslizamentos
Basta o céu escurecer e o tempo fechar para que o gari Gustavo dos Santos, de 38 anos, comece a ficar tenso. Apreensivo, ele mantém as portas de casa abertas na expectativa de garantir a saída rápida da mulher e dos filhos em caso de emergência. A lembrança do temporal que levou a casa e quase todo o patrimônio da família há cinco anos ainda está bem viva na memória do morador da favela da Chacrinha, na Tijuca, zona norte do Rio. 
Encravada em meio à mata e a rochas do maciço da Tijuca, a Chacrinha cresceu em uma área com “altíssimo risco de deslizamentos” em caso de chuva forte, segundo mapeamento feito em dezembro de 2010 pela Geo-Rio (Fundação Instituto de Geotécnica do Município do Rio), oito meses após a tragédia causada pelas chuvas de abril do ano passado.

Após o levantamento, as 310 casas da Chacrinha, construídas junto a enormes pedras e em um terreno bastante íngreme, foram interditadas pela Prefeitura do Rio, que também proibiu a construção de novas residências. Mas, sem alternativas, a maioria dos 2.000 moradores permanece na comunidade. Sem fiscalização efetiva, novas construções continuam sendo feitas na favela, pacificada em setembro de 2010.
Apesar de saber do risco que corre, o gari está construindo um segundo andar na casa onde mora, para dar mais conforto à mulher e aos dois filhos que ainda vivem com o casal. Ele se ressente de jamais ter recebido qualquer indenização pela casa que perdeu na enxurrada. A casa onde vive atualmente, a poucos metros da que desabou, é uma das poucas que não foi interditada, embora esteja abaixo de outros imóveis condenados.
- Fiquei traumatizado. O tempo começa a mudar eu já fico nervoso. Deixo sempre a porta de casa aberta caso haja uma emergência. Quando chove, presto atenção a qualquer barulho.

Presidente da associação de moradores, José Carlos Cândido da Silva, mostra uma pasta repleta de recortes de jornal e documentos, entre os quais, um ofício enviado ao gabinete do prefeito Eduardo Paes (PMDB) em 17 de janeiro deste ano. No texto, ele alerta para a situação “de extremo risco” da comunidade e pede obras de contenção, que, quase um ano depois, ainda não chegaram. 
- A Geo-Rio esteve aqui, os técnicos fizeram medições, mas, até agora, não houve uma obra sequer. É preciso fazer uma contenção. Temos uma ribanceira que há 30 anos cai quando chove. A gente vai lá e limpa. Chove e cai de novo.
A prefeitura afirma que nem todas as famílias que vivem em área de risco precisam ser reassentadas, já que, em muitos casos, é possível fazer obras de contenção que garantam a segurança dos moradores. Em nota, a Geo-Rio informou que está “finalizando os projetos executivos para iniciar as obras adequadas em cada região identificada com risco no município. O processo é minucioso e contínuo”.
Segundo a Secretaria Municipal de Habitação, 200 famílias da Chacrinha já foram reassentadas. Outras 150 devem ser retiradas em três meses. Desde janeiro de 2009, a Prefeitura do Rio removeu 14,5 mil famílias por diferentes motivos.

Moradores temem ir para área de milícia e tráfico

O presidente da associação de moradores, no entanto, contesta a informação. José Carlos diz que menos de dez casas foram demolidas este ano na Chacrinha e que as famílias retiradas viviam na localidade conhecida como Pedacinho do Céu, que não faz mais parte da comunidade, segundo nova demarcação feita pelo próprio município.

Além disso, muitos moradores temem ir para conjuntos habitacionais construídos pela prefeitura em bairros onde há presença de milicianos e traficantes, conforme explica José Carlos.

- A opção que a prefeitura nos dá é ir para Senador Camará ou Cosmos. Imagine se você está empregado aqui. Vivemos em uma área pacificada. Lá são áreas dominadas por bandidos ou milicianos. Quem vai querer ir? 

Outras oito comunidades vivem a mesma situação da Chacrinha, com 100% das suas casas com risco alto de desabamentos: Sítio do Pai João, no Itanhanguá, na zona oeste (300 casas interditadas); morro da Cotia, no Lins, na zona norte (210); travessa Antonina, na praça Seca, na zona oeste (175); morro da Bacia, no Engenho Novo, na zona norte (120); rua Mira, em Olaria, na zona norte (75); morro do Rato, no Estácio, na zona norte (65), e morro do Bananal, na Tijuca (30).

 GarigustavoChacrinha
Gustavo teme perder a casa mais uma vez, mas não quer sair da Chacrinha, onde vive há mais de 30 anos (Mariana Costa / R7)

Comentários