Buscas por desaparecidos serão intensificadas na manhã desta terça


Segundo Sérgio Simões, é muito improvável encontrar algum sobrevivente
André Paino, do R7
O secretário estadual de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões, disse no final da noite desta segunda-feira (9) que os trabalhos para resgatar os corpos das vítimas do deslizamento que matou ao menos oito pessoas na madrugada de segunda-feira (9) no distrito de Jamapará, em Sapucaia, na região do Médio Paraíba, serão intensificados no início da manhã desta terça-feira (10). De acordo com o secretário, é muito improvável encontrar algum sobrevivente. Oito pessoas morreram na tragédia e há pelo menos 15 desaparecidos.
 
- É um trabalho difícil, a expectativa é ruim já que temos ao menos 15 corpos soterrados. É muito improvável encontrar algum sobrevivente. Conforme vamos mexendo na terra, a gente percebe um volume de água muito grande o que dificulta o descolamento das máquinas.
 
Por volta das 0h desta terça já não chovia mais na região. A previsão, de acordo com o secretário, é que a chuva dê uma trégua e facilite as condições de trabalho de resgate.
 
- A previsão é de que haja uma melhora já a partir de amanhã [terça-feira]. Assim irá melhorar as condições de trabalho nas áreas de inundação, os rios voltam para suas calhas e tudo voltará à normalidade.
 
Áreas de risco
 
O prefeito de Sapucaia Anderson Zanon disse que a geografia do distrito coloca Jamapará em condições naturais de risco já que há muitas encostas no local e moradias construídas próximas a elas. O prefeito, no entanto, não considera o local do deslizamento como uma área de risco.
 
- Nunca houve uma tentativa de retirar as pessoas daquele local porque lá não era considerada área de risco. Tem casas ali bem antigas, de 40, 50 anos. Não é uma área de ocupação recente e nunca houve uma tragédia como essa antes. 
 
Zanon informou ainda que a prefeitura tem um aluguel social para ajudar as famílias que não irão poder voltar para o local e que existe um projeto para a construção de 50 casas populares que irão beneficiar essas pessoas.
 
- Já temos o terreno e agora estou pleiteando junto ao governo Federal a liberação desses recursos. Com essa tragédia posso também pleitear junto ao governo Estadual que é mais ágil na liberação dos recursos para que possamos começar a construção das casas. 

Comentários