Chuvas no Rio: Mais dois municípios entram em estado de alerta máximo

São João de Meriti e Macaé se juntam a Nova Friburgo e Duque de Caxias de acordo com o sistema de cheia de rios
Além das cidades de Nova Friburgo, na Região Serrana, e Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, os municípios de São João de Meriti, na Baixada, e Macaé, no Norte Fluminense, também entraram em alerta máximo por conta do aumento do nível dos rios nesses municípios, de acordo com o Instituto Estadual do Ambiente (Inea).
 Foto do leitor @ElingtonCanella
No km 33 da estrada que liga Teresópolis a Friburgo houve um pequeno deslizamento que invadiu uma das pistas | Foto: Leitor @ElingtonCanella
Desde a manhã São João de Meriti e Macaé já estavam em alerta (um abaixo do alerta máximo), por conta das chuvas que caem incessantemente. Já a cidade de Petrópolis, na Região Serrana segue em estado de alerta. Nilópolis, Mesquita, Belford Roxo e Nova Iguaçu, na Baixada, e Teresópolis, na Região Serrana, estão em estado de atenção (dois abaixo.
O sistema de alerta de cheias é diferente do sistema de classificação de risco adotado pela Defesa Civil e leva em consideração apenas o nível dos rios monitorados pelo Inea.
'Enxugando gelo'


Na tarde desta segunda-feira, o prefeito de Nova Friburgo, Sérgio Xavier de Souza, o comandante do Corpo de Bombeiros e secretário estadual de Defesa Civil, Sérgio Simões, e o coordenador da Defesa Civil municipal, coronel João Paulo Mori, fizeram um balanço sobre às chuvas que caem desde às 18h35 do sábado na cidade. Eles tentaram tranquilizar a população e apresentar as ações para evitar maiores danos.
O prefeito informou que cerca de 10 mil pessoas vivem em áreas de risco no município e que líderes comunitários receberam aparelhos celulares onde são informados dos alertas de chuvas. Desde a tarde deste domingo, em 15 comunidades foram acionadas por conta das chuvas. Entretanto, o cenário é de grande receio entre as autoridades. "Estamos enxugando gelo, já que as encostas estão vulneráveis", afirmou o coronel Mori, ressaltando que há o desassoreamento dos rios, mas, que simultaneamente acontecem mais escorregamentos de encostas.
O prefeito de Friburgo também lamentou a burocracia na liberação de verbas da tragédia que completa um ano no próximo dia 12.
Sem vítimas
Na tarde desta sexta-feira, a Defesa Civil de Petrópolis divulgou que foram atendidas 86 ocorrências causadas pela chuva desde o começo das chuvas. Na Estrada da Saudade (Caminho do Fragoso, sem número), um deslizamento de terra interditou a via. Em Pedro do Rio, dois quilômetros após a entrada do distrito, um deslizamento interditou a principal via. Durante as últimas 24 horas, o maior volume de precipitação foi registrado no bairro Itamarati, com índice pluviométrico de 93 milímetros.
Também durante a tarde, a Defesa Civil de Nova Friburgo informou que as chuvas que fazem a cidade estar em alerta máximo desde a tarde desta domingo, não deixaram vítimas. Não foi divulgado o número de ocorrências contabilizadas na cidade.
Uma árvore caiu nesta segunda-feira sobre a rodovia RJ-116, um dos principais acessos à Nova Friburgo, onde o trânsito é feito em meia pista na altura de Cachoeiras de Macacu. Em Duas Pedras, o trânsito também está em meia pista por causa do excesso de lama nas pistas. Nenhum acidente grave foi registrado durante a madrugada pelo Batalhão de Polícia Rodoviária da Polícia Militar.
Em Duque de Caxias, o Rio Saracuruna transbordou na tarde desta segunda-feira e pode atingir 2 mil famílias no bairro da Vila Uruçai. A Defesa Civil municipal vai realizar uma nova medição no rio e se for confirmado o aumento de nível os moradores serão encaminhados para escolas da região. Uma igreja e uma escola estão de prontidão para receber a população.
Desalojados em Friburgo
Pelo menos 150 pessoas estão desalojadas em Nova Friburgo, Região Serrana do Rio de Janeiro, por conta das chuvas que atingem a cidade há mais de 24 horas. O coronel João Paulo Mori, coordenador da Defesa Civil do município, disse nesta segunda-feira que esse é o número de moradores que foram atendidos nos 90 pontos de apoio montados pela prefeitura para receber a população em casos de riscos de enchentes ou deslizamentos.
Ele acredita que o total de atingidos possa ser ainda maior, já que outras pessoas podem ter deixado suas casas e buscado apoio em residências de parentes ou amigos. De acordo com o coronel, a Defesa Civil permanece em estado de alerta. “A chuva aqui é constante e, em alguns pontos, tivemos acumulado um volume superior a 100 milímetros. Isso é preocupante porque hoje Nova Friburgo é um município muito vulnerável. A Defesa Civil está totalmente de prontidão”, afirmou.
 Foto: Leitor @MarceloOrphao
Escadaria no Colégio Anchieta, em Friburgo, neste domingo | Foto: Leitor @MarceloOrphao
O coronel Mori informou que foram acionadas sirenes de alerta para risco de inundações e desabamentos em 14 das 20 comunidades que contam com o serviço. Segundo ele, o bairro de Córrego Dantas é o que mais preocupa as autoridades no momento.
“A situação ali merece maior atenção porque, além do problema das encostas, tem também o risco de enchentes”, explicou. O rio que passa pelo local transbordou na madrugada desta segunda-feira. Ele acrescentou que 24 técnicos, dois caminhões e seis automóveis com tração nas quatro rodas da Defesa Civil estadual foram deslocados para reforçar os trabalhos no município. 
Em janeiro de 2011, a Região Serrana do Rio de Janeiro registrou a maior tragédia climática do País. Uma série de deslizamentos de terra e enchentes mataram mais de 900 pessoas e deixaram quase 400 desaparecidas. Na époica, as cidades mais atingidas foram Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro, São José do Vale do Rio Preto, Bom Jardim e Areal. 
Tempo ruim no Estado
O tempo deve permanecer nublado e chuvoso durante esta segunda-feira em todo o Estado. Para as próximas 24 horas, o Centro de Operações do Rio destaca a permanência da Zona de Convergência do Atlântico Sul, que provoca pancadas de chuva, e mantém o clima instável. A região que mais choveu na madrugada desta segunda-feira no Rio foi Sepetiba, na Zona Oeste. Houve temporal ainda em Santa Cruz, também na Zona Oeste, e Irajá, na Zona Norte.
Reportagem de Bruno Guedes, Marcos Galvão e Mariana Moura

Comentários