Em Arraial do Cabo, agenda recheada de shows no final de semana


Sexta-feira, banda Blitz, na Praia Grande. No sábado, Leila Pinheiro, na Praia dos Anjos 
Fim de semana, em Arraial do Cabo, terá uma programação imperdível. Nesta sexta-feira, 13, às 19h, na Orla Flávia Alessandra, na Praia Grande, terá um show da banda Blitz, com Evandro Mesquita & Cia. E, no sábado, 14, show de MPB com a cantora Leila Pinheiro, na Praça do Cova, na Praia dos Anjos, no projeto Verão Musical, que está na quarta edição. O show começa às 21h.  Os dois eventos são realizados pela Prefeitura de Arraial do Cabo, através da Secretaria Municipal de Turismo.
A apresentação da banda Blitz marca a inauguração dos dois quilômetros de asfalto e os três quilômetros de iluminação da estrada que liga a entrada de Arraial do Cabo a Praia Grande, passando pela Rebeche, que também recebeu estacionamento, sistema de drenagem, calçada com pavimento intertravado, ciclovia, sinalização, meio fio e redutor de velocidade.


Já o segundo trecho, a RJ 140, era para ser uma obra do DER, mas atendendo pedido dos moradores e visitantes, a Prefeitura Municipal decidiu recuperar o asfalto. O trecho começa na entrada principal da Álcalis e vai até o Trevo da Canoa Antonina. Já a iluminação subterrânea começa na divisa dos municípios de Arraial do Cabo e Cabo Frio e se estende pelas principais vias de acesso a cidade (as avenidas Getúlio Vargas, Leonel de Moura Brizola e Nilo Peçanha), deixando um Arraial do Cabo muito mais iluminado e seguro.
Falar da banda Blitz é falar da alegria e da irreverência do carioca. A banda surgiu em 1982, em pleno verão carioca, debaixo de uma lona improvisada, num pedaço de terra que separa Ipanema de Copacabana. À sua sombra toma forma um espaço multicultural e democrático que ficou conhecido como Circo Voador. Naquele palco praiano, que depois mudaria para a Lapa, no centro do Rio, nasceu a BLITZ.
Vinda de shows improvisados em bares da zona sul, a banda tomou forma e começou a virar mania no tablado do Circo. Em julho daquele ano gravou o compacto “Você Não Soube Me Amar”, que só tinha essa música. No lado B do disco uma voz repetia “nada, nada, nada”. Em três meses o compacto vendeu 100 mil cópias e aquela canção diferente, meio cantada, meio falada, cheia de swing, gírias e de alegria virou febre.
Antenados com a modernidade o caldeirão Blitz continua fervendo com o rock, o pop, o reggae, o blues, o eletrônico, as baladas de gaita e violão, as letras bem-sacadas, as guitarras swingadas, o canto falado, as respostas das meninas, enfim, o típico bom-humor que sempre foi a marca de Mesquita & Cia.
A paraense, Leila Pinheiro, uma das melhores intérpretes da bossa nova da atualidade, também surgiu nos anos 80, no Festival dos Festivais, da TV Globo, em que defendeu a composição "Verde", de Eduardo Gudin e José Carlos Costa Netto. Nesse festival ganhou o prêmio revelação. Pelo destaque, assinou contrato com a Polygram e gravou o disco "Olho Nu", que a levou ao Japão, onde ganhou um prêmio de melhor intérprete no Festival Mundial Yamaha. No seu repertório tem CDs produzidos por Roberto Menescal, composições da dupla  Guinga e Aldir Blanc. No final dos anos 90 fez shows com Ivan Lins nos Estados Unidos e participou do tributo a Tom Jobim realizado no Carnegie Hall, de Nova York. Mas, não parou por aí. E a sua apresentação na IV edição do Verão Musical de Arraial do Cabo promete ser um dos melhores shows da série. É só conferir.  

Comentários