Em Campos, cerca de quatro mil pessoas são retiradas após rompimento de dique


Moradores de Três Vendas, em Campos, são retirados de suas casas após rompimento de dique Foto: Jônatas Manhães / Divulgação
Aloysio Balbi Flávia Milhorance Paulo Roberto Araújo - O Globo
A prefeitura de Campos, no Norte Fluminense, informou que mais de 100 famílias já foram removidas da localidade de Três Vendas, onde houve o rompimento de um dique de contenção, na BR-356. O trabalho continua com a retirada de famílias que vivem no interior do bairro. Centro e oitenta agentes e 20 caminhões estão na localidade. Os desalojados estão sendo encaminhados para o Ciep Luiz Carlos de Lacerda, no bairro de Travessão.
No total, cerca de quatro mil pessoas de Três Vendas terão que ser removidas. Com a ruptura da barragem, as águas do Rio Muriaé podem inundar a localidade. Segundo o coordenador da Defesa Civil no Noroeste Fluminense, tenente-coronel Douglas Paulich, Três Vendas tem cerca de 1.200 casas, mas somente cem famílias poderão continuar nas suas residências, que ficam em áreas mais altas.


— Pedimos que as pessoas deixem suas casas e vão para os morros que ficam ao lado da localidade, que é o ponto mais alto de Três Vendas. Pedimos também que o mínimo de gente fique no segundo andar de suas casas, dando prioridade à ida para os morros, já que o socorro chegará por lá — explicou o secretário de Defesa Civil, Henrique Oliveira.
Segundo Douglas Paulich, a força da pressão hidráulica rompeu a estrada-dique, a BR-356 (Belo Horizonte-São João da Barra), que liga Campos a Itaperuna. O mesmo problema já ocorreu em 2008. A estrada foi recuperada pelo Departamento Nacional de Insfraestrutura e Transportes (Dnit), mas novamente não resistiu à força das águas do Rio Muriaé. O rompimento abriu uma cratera de 20 metros de comprimento na rodovia federal.
— No momento, a água está se espalhando pela parte baixa do distrito, mas por volta de 16h chegará às casas porque o volume de água é muito grande e está aumentando — disse o coronel.
O trabalho de retirada das famílias está sendo acompanhado pelo secretário estadual de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões, que chegou ao local de helicóptero na manhã desta quinta. Duas aeronaves tripuladas por bombeiros foram enviadas pelo governo do estado para Três Vendas.
Segundo medição feita pela Defesa Civil às 11h desta quinta-feira, o Rio Paraíba do Sul continua com nível de 11 metros, dois metros acima do nível de transbordo.
A prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, junto de agentes da Defesa Civil e técnicos do Dnit também vão sobrevoar a área de Três Vendas para avaliar os prejuízos. De acordo com a prefeitura, ainda não há informação de vítimas do acidente. As famílias estão sendo retiradas do local por medida de segurança. O nível do Rio Muriaé já baixou em Campos, e não chove desde a manhã desta quinta-feira. Ao todo, 195 famílias foram desalojadas e se encontram em nove abrigos da cidade. Em 2009, 40 áreas foram atingidas e famílias foram instaladas em 170 abrigos.
Em Petrópolis, foram registradas 353 ocorrências, sem registro de vítimas, desde domingo, de acordo com relatório enviado pela Defesa Civil nesta quinta-feira. O município está em estágio de atenção, com previsão de pancadas de chuva de fraca a moderada no final do período. Permanecem 14 pessoas desalojadas, já assistidas pela prefeitura. Entre as ocorrências, estão pequenos deslizamentos de terra, residências que apresentam pequenas rachaduras, alagamentos e vistorias preventivas. Os bairros mais afetados com as chuvas foram Cascatinha, Araras Floresta, Roseiral, Itaipava e Corrêas. De acordo com a Defesa Civil, os atendimentos são feitos de acordo com gravidade.
Em Itaperuna, será montada a base para dar apoio às cidades afetadas pelas chuvas no Norte e no Noroeste Fluminense. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, da unidade, que vai funcionar no Núcleo Descentralizado de Vigilância em Saúde do município, sairão os kits de calamidade solicitados pelas prefeituras das áreas atingidas. Cada kit, com capacidade para atender 500 pessoas, contém medicamentos para a atenção básica, antibióticos, hipoclorito de sódio e álcool.
Em Friburgo, na Região Serrana do Rio, choveu muito durante a tarde desta quinta-feira.
R$ 350 mil da Saúde para oito municípios do Norte e Noroeste Fluminense
Oito municípios do Norte e do Noroeste Fluminense vão receber recursos da Secretaria estadual de Saúde para viabilizar ações emergenciais e dar continuidade ao atendimento de suas unidades hospitalares, segundo anúncio feito pelo secretário Sérgio Côrtes. Uma verba extra do Programa de Apoio aos Hospitais do Interior, no valor de R$ 350 mil, será destinada às cidades de Aperibé, Cardoso Moreira, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Santo Antônio de Pádua e São Fidélis.
Côrtes e equipes de Vigilância e Atenção à Saúde da secretaria visitaram na quarta-feira a região. Eles vistoriaram pontos como o atendimento aos pacientes, a reestruturação das unidades de saúde, o reforço de equipes, a análise de condições sanitárias de abrigos, revisão de estoques de medicamentos, insumos e vacinas e avaliação dos planos de contingência elaborados por cada prefeitura. Além da autorização de envio dos kits calamidade para os cinco municípios, a secretaria vai disponibilizar salas de estabilização, que funcionarão como UTI, e de Raios-X para Laje do Muriaé e Cardoso Moreira.
Oito casas interditadas em Petrópolis
Em Petrópolis, na Região Serrana, a Coordenadoria de Defesa Civil do município informou que foram registradas 344 ocorrências desde o último domingo. Segundo o órgão, apesar da intensidade das chuvas, não houve registro de vítimas. No entanto, 14 pessoas estão desalojadas na região. Segundo a Defesa Civil, oito casas foram interditadas.


Comentários