Em Petrópolis, deslizamentos mostram que nada foi feito para mudar cenário de um ano atrás


A maioria das encostas ainda está sem contenção na cidade, um ano após. Quando chove forte, a terra desce e muitas vezes cai sobre as casas.
Em Petrópolis, o temporal atingiu em cheio o Vale do Cuiabá. A maioria das encostas ainda está sem contenção. Quando chove forte, a terra desce e muitas vezes cai sobre as casas. Em São José do Vale do Rio Preto, a sA 72 km de Petrópolis, as ruas estão tomadas pela lama. Os deslizamentos, que começaram no início da semana mostram que nada foi feito para mudar o cenário de destruição, um ano depois da tragédia .
A enxurrada levou o asfalto de pelo menos 20 trechos da RJ-134. São José é responsável por 20% da produção de frango do estado do Rio de Janeiro. E as aves são transportadas todos os dias pela estrada, em centenas de caminhões. Os avicultores dizem que está difícil escoar a produção assim.
100 mil aves foram mortas. E galpões, arruinados. O financiamento prometido ainda não entrou na conta dos produtores.


O resgate de uma moradora de São José comoveu o país. D. Ilair é uma exceção. Vive num casa dada pelo programa Caldeirão do Huck. Ela acredita que os vizinhos não vão ter a mesma sorte. Um ano se passou e nenhuma nova residência foi erguida pelo Governo para as vítimas da serra.
Promessa não cumprida também em Areal. Uma ponte foi levada e não foi reconstruída. Insatisfeitos, moradores fazem manifestações e já fecharam a BR-040, principal ligação entre o Rio e Minas Gerais. Pelo menos 50 pontes precisam ser reconstruídas na região. Em Sumidouro, pedestres se arriscam em passagens de madeira, improvisadas. E em Bom Jardim, uma das poucas boas notícias: a estrada que liga o município a Nova Friburgo foi recuperada pelo estado.
Em Petrópolis, onde 71 pessoas morreram na catástrofe, as casas devastadas na região do Vale do Cuiabá até hoje não foram demolidas. Nas fachadas, a única mudança é a demarcação feita pelo Governo Estadual. Os prefeitos das cidades pequenas dizem que não têm dinheiro para a reconstrução.
do RJ INTER TV 1ª Edição

Comentários