Funcionária do Senado é mordida por rato


Após episódio, direção da Casa agendou aplicação de veneno para espantar roedores
A direção do Senado agendou para a tarde desta sexta-feira (13) uma operação de desratização e dedetização depois que um rato mordeu o pé de uma servidora da secretaria-geral da Casa durante o expediente. A funcionária está sob observação médica.
O ataque ocorreu nesta semana. Para evitar que a situação se repita, a secretária-geral da Mesa, Claudia Lyra, decidiu promover a desratização. Para isso, ficarão interrompidas as atividades das secretarias de coordenação legislativa do Senado e do Congresso, que ficam próximas ao local onde o roedor agiu. O trabalho será retomado às 10h de segunda-feira (16).
Senado e Câmara estão em período de recesso. Os parlamentares voltarão ao trabalho no dia 2 de fevereiro. Na quinta (12), a folga foi interrompida pela convocação da Comissão Representativa do Congresso, que ouviu as explicações do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, acusado de nepotismo e de direcionar recursos da pasta para Pernambuco, seu Estado natal.

É a primeira vez que um servidor do Senado necessita de cuidados médicos por causa de um ataque de animal. No entanto, é comum a presença de redores e escorpiões, que aparecem principalmente quando chove, nas dependências da Casa.
Também chama a atenção a falta de cuidado com a conservação de algumas áreas, sobretudo as que ficam abertas ao público. Há dias, uma goteira obriga o pessoal da limpeza a manter panos no corredor do chamado “túnel do tempo”, onde estão gabinetes de senadores e comissões. Os três banheiros mais próximos da biblioteca estão sem fechadura. As descargas também estão com problemas. 
Para este ano, o Senado conta com um orçamento de R$ 3,3 bilhões.

Comentários