Governo define novas regras para reajuste a profissionais de segurança


O Governador Sérgio Cabral definiu, nesta sexta-feira, as novas regras para o aumento da remuneração dos agentes penitenciários, da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros. De acordo com a assessoria do governo, as medidas vão representar um reajuste total de 39,4% para o biênio 2012/2013. Na abertura da próxima legislatura, será enviado à Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) um projeto de lei que antecipa os reajustes.
Os reajustes vão incidir sobre soldos e vencimentos e também vão beneficiar aposentados e pensionistas. O impacto do aumento, somente neste ano de 2012, é de R$ 200 milhões. As novas regras abrangem 73.106 servidores ativos, 32.163 servidores inativos e 14.404 pensionistas. Serão beneficiadas, portanto, 119.673 pessoas. 
Os aumentos serão concedidos, de acordo com a nova sistemática, da seguinte forma:


- Em fevereiro deste ano: 10,15%; 
(o reajuste total acumulado em 2012, incluindo o aumento já concedido em janeiro, será de 11,55%)
- Em janeiro de 2013: 0,915%;
- Em fevereiro de 2013: 10,15%
- Em outubro de 2013: 13,84%
Ameaça de greve
Policiais civis realizam um sindicato na sede cultural da Coligação dos Policiais Civis, no Centro da cidade, na última terça-feira. De acordo com o Sindicato de Funcionários da Polícia Civil do Rio, o objetivo da reunião foi discutir com o governo um reajuste único, "que os tire da última posição de policiais e bombeiros mais mal pagos do país".
PMs e bombeiros também confirmaram presença na assembléia. De acordo com o cabo Benevenuto Daciolo, do movimento S.O.S Bombeiros, se até o dia 10 de fevereiro o governo estadual não iniciar uma negociação com as três categorias juntas, os integrantes das três forças poderão decidir por uma paralisação geral, antes do Carnaval.
O secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy Barbosa, afirmou no último dia 13 que não tem como atender a redução de classes proposta em um novo Plano de Cargos e Salários e nem reduzir as parcelas do reajuste de agosto de 2010 de 48 para 24 vezes. De acordo com o Sindicato, esta era uma promessa do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame.
O impacto mensal na folha de pagamento do estado com a implantação do novo plano, representaria uma despesa mensal de R$ 68 milhões. Segundo Ruy, o governo também estuda alterar as gratificações pagas aos policiais civis. 

Comentários