'Ilhados' em Campos assinam termo de compromisso


ITALO NOGUEIRA
ENVIADO ESPECIAL A CAMPOS (RJ)

Sem conseguir convencer os moradores de Três Vendas, em Campos dos Goytacazes (RJ), a saírem de casa após o alagamento do bairro, a prefeitura tenta fazer com que os que optaram por ficar "ilhados" assinem termo de responsabilidade por permanecer na área.
"Oferecemos a oportunidade deles saírem. É normal a prefeitura coletar esses termos caso a pessoa queira ficar em área de risco", disse o secretário de Defesa Civil, Henrique Oliveira.
Além do termo, assistentes sociais estão cadastrando as famílias que continuam no bairro. O objetivo é estimar necessidade como água e comida, bem como planejar a atuação dos bombeiros que monitoram o local.

A Secretaria de Família e Assistência Social cadastrou até ontem 135 famílias, mas "ainda há muitas a serem atendidas", disse a titular da pasta, Isaura Freire. A estimativa era que 500 famílias permaneceram nas lajes ou segundos pavimentos das casas.
O alagamento no bairro diminuiu cerca de 20 cm entre a noite de ontem e a manhã deste sábado (7). De acordo com o major Edson Pessanha, da Defesa Civil municipal, a estimativa é que a água volte para o leito do rio Muriaé em 15 dias.
"Depois teremos que desinfectar o bairro e avaliar as casas para saber quais estão comprometidas e se as famílias poderão ficar nelas", disse o major Pessanha.
O alagamento chegou a atingir dois metros em determinados pontos do bairro.

LUZ
Os "ilhados" conseguiram manter o fornecimento de energia no bairro. Por duas vezes ontem, técnicos da Ampla foram ao local, a pedido da Defesa Civil municipal, para cortar a luz. Eles temiam choques elétricos causado por relógios de luz danificados ou fios desemcapados.
Os moradores se queixaram e a Defesa Civil autorizou a manutenção da energia, já que o nível do rio está baixando.

Comentários